Cesar Cielo avalia GP de Charlotte como bom teste para o revezamento do Brasil

O campeão olímpico também aproveitou para ganhar ritmo em suas provas individuais na preparação para brigar pelo tetra mundial nos 50 m livre em Kazan
Cesar Cielo gostou dos tempos nas provas individuais: 50 livre e 50 borboleta
Cesar Cielo gostou dos tempos nas provas individuais: 50 livre e 50 borboleta
São Paulo – O velocista Cesar Cielo avaliou como muito positivo o encontro dos nadadores brasileiros que se preparam para os revezamentos nos Jogos Olímpicos Rio 2016. O grupo se reuniu para nadar o Grand Prix de Charlotte, no Mecklenburg County Aquatic Center de Charlotte, na Carolina do Norte (EUA), de quinta-feira a domingo (14 a 17/5/2015), também preparação para o Mundial de Desportos Aquáticos de Kazan (RUS) – a natação será de 2 a 9 de agosto. Cesar Cielo e o técnico Ari Soares da Silva também aproveitaram para dar continuidade ao trabalho de preparação e ganhar ritmo de competição nas provas individuais para o Mundial. Cielo ganhou os 50 m borboleta, foi segundo nos 50 m livre. Pelo Brasil, o revezamento 4×100 m livre foi segundo e o 4×100 medley o primeiro. “Foi uma competição bem legal, dentro do era esperado. Eu queria nadar os 50 m livre abaixo dos 22 segundos – poderia ser até em 21s99, para quebrar a barreira dos 22 -, acabei ficando bem próximo, com 22s05. Acho que nos 50 m borboleta eu poderia ter um tempo melhor, mas não deu para eu me recuperar entre uma prova e outra – foram seguidinhas. No fim das contas, foi um tempo bom, não foi ruim não, perto do que eu fiz no Maria Lenk. Eu sai da final dos 100 m livre por opção, para priorizar os revezamentos”, avaliou Cielo sobre as provas individuais. O mais importante, em Charlotte, na avaliação de Cielo, era começar a treinar os revezamentos do Brasil. “Foi bacana darmos esse primeiro passo, encararmos o desafio. E foi uma competição bem positiva para o Brasil. Esse plano de reunir o revezamento é bem interessante nessa caminhada até a Olimpíada”, opinou Cielo. “O objetivo era começar a treinar as trocas e priorizar os revezamentos. Demos uma vacilada no 4×100 m livre – poderíamos ter ganho se o De Lucca tivesse nadado – ele nadou super bem a prova dos 100 m livre (foi terceiro, com 49s21, com Marcelo Chierighini, em quinto, com 48s38).” No 4×100 medley a apresentação do Brasil foi boa. “Não teve adversários, mas nadamos bem.” Os resultados O Brasil nadou o revezamento 4×100 m em Charlotte para juntar a equipe pela primeira vez na temporada na sexta-feira (15/5). Com Matheus Santana, Marcelo Chieriguini, Bruno Fratus e Cesar Cielo fez 3min17s56, o segundo tempo da competição, que teve o time da Itália – Luca Dotto, Marco Orsi, Michele Santucci e Marco Belotti -, com 3min16s91, em primeiro. Os americanos da SwimMAC da Carolina do Norte fizeram o terceiro tempo (3min18s66), com Dion Dreesens, Ryan Locthe, Tim Phillips e Cullen Jones. As marcas da Itália e do Brasil foram as duas melhores entre os revezamentos este ano (a França aparece em terceiro no ranking, com 3min20s50). No sábado (16/5), Cesar Cielo foi o segundo nos 50 m livre (22s05), atrás de Josh Schneider (21s96) e à frente de Nathan Adrian (22s19). Bruno Fratus, do Brasil, ficou em quarto (22s22), Marcelo Chieriguini em 15º (23s08) e Matheus Santana em 22º (23s28). Nos 50 m borboleta, Cesar Cielo obteve o melhor tempo – 23s26, seguido por Tim Phillips (23s71) e Sean Fletcher (23s97). No domingo (17/5), Cesar Cielo nadou as preliminares dos 100 m livre (49s82), se classificou, mas não fez a final. Optou por nadar com o revezamento 4×100 m medley do Brasil que foi o primeiro na prova, com Guilherme Guido, Felipe Lima e Arthur Mendes, em 3min38s62. A SwimMAC Carolina do Norte ficou em segundo (3:42.44) e o Time de Ontário em terceiro (3:49.52). Cesar Cielo é atleta da Fiat/Minas, equipe de natação do Minas Tênis Clube, tem patrocínio de Gatorade, adidas, Embratel, Furnas, Fiat e Correios e apoio do Bolsa Pódio/Ministério do Esporte.

Cesar Cielo diz que foco no GP de Charlotte é integração do revezamento 4×100 m

Mas o campeão olímpico e mundial também nada suas provas individuais dando sequência na preparação para o Mundial de Kazã, na Rússia, em agosto
Em Charlotte: por provas individuais e o revezamentos 4x100 m
Em Charlotte: por provas individuais e o revezamentos 4×100 m
São Paulo – O velocista Cesar Cielo disputa o Grand Prix de Charlotte como parte de sua preparação, tanto nas provas individuais quanto no revezamento 4×100 m livre do Brasil, para o Mundial de Desportos Aquáticos de Kazã (RUS) – a natação será de 2 a 9 de agosto. A competição começa na quinta-feira, no Mecklenburg County Aquatic Center de Charlotte, na Carolina do Norte (EUA), mas este será dia de treinos com o revezamento. Cesar Cielo nadará na sexta-feira (15/5), no sábado (16/5) e no domingo (17/5) – está inscrito nos 50 m livre, 50 m borboleta, 100 m livre, 100 m borboleta e no revezamento 4×100 m livre. “Vou tentar nadar minhas provas individuais o melhor possível. Estou imaginando obter tempos próximos aos que fiz no Maria Lenk – como eu não estava 100% lá, imagino que não vou nadar muito acima agora também. Vamos ver se nado os 50 livre para 21s50, no sábado. Os 50 m borboleta serão seguidinhos dos 50 m livre…. Então, dependerá da minha recuperação de uma prova para outra. Vamos ver o que sai nos 100 m, no domingo. Mas tenho a expectativa de nadar bem lá sim, de fazer umas provas bacanas”, afirma Cielo. Depois do Troféu Maria Lenk, Cielo descansou uma semana e entra agora na quarta semana de preparação desde o retorno aos treinos. Observa que o lado técnico do Maria Lenk foi difícil de analisar porque não estava totalmente pronto. “Foi mais em relação as sensações que eu tive e ao que estava esperando. Tenho a expectativa de nadar em Charlotte tão bem quanto no Maria Lenk. Para o Mundial, vamos respeitar mais o descanso, ficar mais rápido mesmo.” Harmonia no grupo O campeão olímpico e tricampeão mundial dos 50 m livre (e recordista mundial, com 20s91), ressalta que para o revezamento o principal é o grupo se ‘conhecer’, estar integrado. “Será bacana nadarmos juntos para cada um conhecer bem o jeito que o outro nada. Isso será importante na hora das trocas. No Minas, com os atletas que nado há algum tempo, sei a braçada de cada um e a velocidade que chega, informações que uso para colocar no giro do braço em cima da baliza. A gente precisa ter esse conforto, meio natural, de saber como fazer, na hora certa.” Cielo diz que prestará atenção nos estilos de nado dos companheiros.”Saber bem certinho sobre o nado do De Lucca (João), do Marcelo (Chierighini), do Matheus Santana e aí aprender a fazer as trocas que o revezamento exige, de forma mais rápida e segura ao mesmo tempo.” Cielo vê na integração o ponto mais importante em Charlotte, mais do que o tempo ou vencer o 4×100 m. Explica que nesse tipo de Grand Prix americano o revezamento costuma ser fraco porque os clubes não colocam os nadadores principais nas equipes. “Vamos nadar com equipes fracas. Talvez o revezamento da casa seja um pouco mais forte – pode ser nosso rival – mas é não se preocupar com o tempo. Vai estar todo mundo focado nas provas individuais. É virar mais natural a presença e os estilos de cada um, começar a ter mais harmonia nessa relação para depois a gente conseguir transferir isso para os grandes campeonatos.” Em busca do revezamento olímpico
Quarta semana de treinos após Maria Lenk: 'Quero fazer provas bacanas'
Quarta semana de treinos após Maria Lenk: ‘Quero fazer provas bacanas’
O técnico Arilson Soares da Silva observa que a ida para Charlotte é uma ação da Confederação Brasileira de Natação (CBDA) e do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), investimento na presença de um revezamento 4×100 m competitivo na Olimpíada do Rio, em 2016. “Essa é uma prova em que temos condições de boa competitividade, tanto no Mundial de Kazã quanto nos Jogos do Rio. Estamos indo para essa ação e também para manter o nível competitivo do Cesar. No Maria Lenk, encerramos uma parte da temporada. A gente quer manter o nível competitivo e carregar isso até o Mundial de Kazã.” Sobre a escalação de Cielo também para os 100 m borboleta Ari explicou que a prova antecede o revezamento 4×100 m, no mesmo dia, a sexta-feira (15/5). “É só para ‘sentir’ a piscina e ter ritmo de competição para nadar o revezamento.” A quinta-feira, dia em que nenhum dos atletas brasileiros compete, deverá ser reservada para treinos e conversas do grupo. “É conversar, começar a colocar uma linha de pensamento única com relação a essa prova e fazer algum trabalho preparando para o revezamento do Grand Prix mesmo.” Cesar Cielo é atleta da Fiat/Minas, equipe de natação do Minas Tênis Clube, tem patrocínio de Gatorade, adidas, Embratel, Furnas, Fiat e Correios e apoio do Bolsa Pódio/Ministério do Esporte.