Cesar Cielo volta à piscina em que começou para I Torneio Novos Cielos

Cielo (E, em pé), com a equipe do Barbarense, ainda menino; hoje espelho para o Novos Cielos
  Antes das férias, após temporada olímpica, nadador tem compromisso com crianças dos polos de Limeira, São Paulo e Santa Bárbara D’Oeste do projeto Novos Cielos São Paulo – O campeão olímpico e mundial Cesar Cielo, que ganhou sua terceira medalha olímpica nos Jogos de Londres – bronze, nos 50 m livre – vai sair de férias, após a desgastante temporada de 2012. Mas antes cumpre um compromisso importante no I Torneio Novos Cielos, iniciativa do projeto de mesmo nome, de detecção de talentos para a natação. A competição será no sábado, dia 1 de setembro, na piscina do Esporte Clube Barbarense, em Santa Bárbara D’Oeste (SP), em que Cielo começou a nadar, aos 7 anos. O Novos Cielos, projeto do Instituto Cesar Cielo, quer apoiar talentos da natação, com treinamento para crianças e adolescentes de 6 a 18 anos e participação em competições, a partir de parcerias com polos de vocação formadora. O torneio terá a presença de 200 crianças (nascidas entre 1998 e 2004), de três polos do programa Novos Cielos, a Associação dos Nadadores e Esportistas de Limeira (ANEL), o Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa (COTP), da Prefeitura de São Paulo, e do Esporte Clube Barbarense/Unimed, nas categorias pré-mirim, mirim 1 e 2, petiz 1 e 2, infantil 1 e 2, com disputas dos 25 metros e 50 metros livre, com eliminatórias e finais. “O projeto se preocupa com o treinamento, em propiciar estrutura para o dia a dia do treinamento mesmo. Então, essa competição fecha o pacote. As crianças terão uma disputa com eliminatórias e placar eletrônico – muitas nunca devem ter nadado nessas condições. Embore seja um torneio apenas com as crianças dos três núcleos, e só em provas do estilo livre, nas distâncias de 25 metros para os menores e de 50 para os maiores, é como um fecho para o que eles fizeram o ano todo”, afirma Cielo, que vai estar o dia todo na piscina, envolvido com o torneio, seja na premiação, seja na locução. “Estou convidando meus colegas do PRO 16 (Projeto Rumo ao Ouro em 2016) para conversar com as crianças durante a competição e fazer algumas demonstrações”, acrescentou Cielo. Depois do I Torneio Novos Cielos, o velocista viaja para descansar. “Temos uma folga e quero aproveitar para descansar bem a cabeça, tentar também não comer muita besteira, não engordar muito nas férias para voltar bem, já pensando em estar numa forma bacana nos próximos campeonatos. Eu não sei se vou ao Mundial de Curta, vou conversar com o Albertinho (o técnico Alberto Silva) na volta das férias e vamos pesar o que é melhor. O Mundial de longa, em Barcelona, no ano que vem, vai ser em julho… Então, seria um ano e meio muito desgastante. Pensando na longevidade e em 2016, vamos ver se vai ser interessante ir ao Mundial de Curta (em dezembro) porque, com certeza, se tivermos de priorizar alguma coisa, vai ser o Mundial de Barcelona no ano que vem.” I Torneio Novos Cielos Programa de provas 9h30 – Cerimônia de Abertura – Coral da Fundação Romi Eliminatórias a partir das 10 horas e finais a partir das 15 horas 25 m livre feminino e masculino (pré-mirim), 25 m livre feminino e masculino (mirim I), 25 m livre feminino e masculino (mirim II), 50 m livre feminino e masculino (petiz I), 50 m livre feminino e masculino (petiz II), 50 m livre feminino e masculino (infantil I) e 50 m livre feminino e masculino (infantil II). Todos os participantes ganharão camiseta, touca e almoço. O I Torneio Novos Cielos tem o apoio de Shriners, Gatorade, Arena, Horti-Fruti Pérola, Fiore e Audi. Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Correios, Audi, Gatorade e Arena.  

Cielo fecha Finkel com mais duas medalhas e Flamengo é vice-campeão

Cielo leva seis medalhas no José Finkel, cinco de ouro; agora férias
O medalhista olímpico foi escolhido o melhor índice técnico da competição; agora está oficialmente em férias por algumas semanas São Paulo – O campeão olímpico e mundial Cesar Cielo fechou o Troféu José Finkel com medalha de prata nos 50 m borboleta (22s40), prova vencida por Nicholas dos Santos (22s22), seu companheiro de Flamengo e de treinamento no Projeto Rumo ao Ouro em 2016 (PRO 16). Kaio Márcio de Almeida ficou com a medalha de bronze (22s94). Cesar Cielo ainda fechou o revezamento 4×100 m medley para levar o ouro pelo Flamengo, com os companheiros de PRO 16 Leonardo de Deus (costas), Henrique Barbosa (peito) e Nicholas Santos (borboleta). Na competição, Cesar Cielo venceu os 50 m e 100 m livre, suas provas individuais. Levou mais três ouros com os revezamentos do Flamengo – 4×50 m livre, 4×100 m livre e 4×100 m medley – e foi prata nos 50 m borboleta. Cielo ainda ficou com o troféu pelo melhor índice técnico masculino, ao lado da australiana Marieke Gueher, que levou o índice no feminino. O Minas Tênis venceu o Troféu José Finkel com 2.333,50, numa disputa prova a prova com o Flamengo, que ficou apenas 19 pontos atrás (2.314,50). O Corinthians foi o terceiro (1.843). Sobre os 50 m borboleta, observou que os 22s40 foram sua melhor marca pessoal em piscina curta. “Comparando com piscina longa, acho que ainda dá para fazer mais baixo, mas a maratona de ontem não foi fácil, não”, disse, referindo-se ao fato de ter nadado as eliminatórias e semifinais dos 50 m borboleta, a final dos 100m livre e o revezamento 4×100 m, na etapa de sexta-feira à noite. “Acordei bem cansado hoje. A disposição vai diminuindo, a explosão vai ficando mais comprometida e sabia que essa prova seria muito difícil com o Nicholas (dos Santos) na piscina. Ele sabe virar muito bem na piscina curta e essa é uma coisa que eu passo em branco no meu treinamento, a virada com as duas mãos. É bom saber que o meu companheiro de treino é o melhor velocista do Brasil nessa prova.” “Férias… Agora chegaram, finalmente! Vamos dar um tempinho da piscina antes de começar a pensar nas próximas competições. Vou ver se eu viajo para algum lugar, para descansar bastante a cabeça mesmo, sentir falta da piscina, coisa que agora está longe de ser a realidade. Voltar a buscar a vontade. Sair um pouco da rotina que é o mais maçante de tudo. Descansar a cabeça”, disse Cielo, que fez índice para os 50 m e os 100 m livre para o Mundial de Piscina Curta, em Istambul, em dezembro, mas ainda não sabe se disputará a competição. Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Correios, Audi, Gatorade e Arena.

Cesar Cielo vence 100 m livre com índice para Mundial

   
Ouro para o revezamento 4x100 m livre
Ouro para o revezamento 4x100 m livre
O velocista já soma quatro ouros para o Flamengo no José Finkel; neste sábado, último dia de provas, nada a final dos 50 m borboleta e o revezamento 4×100 m medley São Paulo – O velocista Cesar Cielo levou mais uma medalha de ouro para o Flamengo no Troféu José Finkel, nos 100 m livre, com 45s91 – o tempo é índice para o Mundial de Istambul, em dezembro. Cielo chegou bem perto do seu recorde sul-americano da prova (45s74), mas nadou bem abaixo do índice (46s99) para o Mundial. Dividiu o pódio com o companheiro de Flamengo Nicholas dos Santos (47s32) e com Nicolas Oliveira (47s36), do Minas Tênis, clube que disputa a liderança do Troféu ponto a ponto com o Rubro-Negro. Cielo voltou à piscina pouco depois de nadar e ganhar os 100 m livre, desta vez para se classificar para a final dos 50 m borboleta, com 23s95, quinto tempo das eliminatórias. Minutos depois ainda fechou e venceu o revezamento 4×100 m livre,com os companheiros João De Lucca, Nicholas dos Santos e Thiago Sickert, em 3min10s52. O Pinheiros ficou em segundo (3min12s84) e o Corinthians em terceiro (3min13s42). “Nossa, o recorde sul-americano bateu na trave. A prova foi melhor do que eu estava esperando para o dia. Imaginei nadar na casa dos 46s baixo. A piscina faz muita onda, muita marola, e isso atrapalhou um pouco. Queria ter batido o recorde para o Flamengo marcar mais pontos, mas os outros dois da equipe foram bem, Nicholas dos Santos e João De Lucca. Foi uma surpresa boa esse tempo nos 100 m. Com esse tempo, entro com ambição diferente para a próxima temporada de piscina curta”, disse Cielo. Cielo explicou que nadou os 50 m borboleta de sunga porque não teria tempo para ‘soltar’ antes do revezamento 4×100 m livre. “Não tive tempo de colocar a bermuda. Mas era uma semifinal. Se fosse uma final, com certeza teria entrado com a bermuda para tirar o melhor. Vamos ver se eu consigo segurar o Nicholas amanhã e bater o recorde do campeonato”, disse Cielo, que nada a final dos 50 m borboleta neste sábado (25/8), último dia de competições no Sesi Vila Leopoldina, a partir das 18 horas (com SporTV 2). O velocista também disputará o revezamento 4×100 m medley com o Flamengo. O Flamengo ainda fechou a quinta etapa do José Finkel igualando o recorde do campeonato no 4×100 m livre, o que, no entanto, não valeu pontuação extra para o clube. Cielo lamentou. “Eu peguei um pouco de marola, mas já caí na água com dor na perna”, disse, referindo-se ao número de vezes que nadou na etapa. “Miramos o recorde, mas acho que miramos muito em cima. Poderia ter sido um centésimo melhor. Talvez uma troca melhor fizesse diferença, mas é isso aí. O Flamengo teve uma sessão muito boa. É fazer de tudo para ir bem no último dia e garantir o título do Finkel.” Cesar Cielo já ganhou dois ouros em provas individuais (50 m e 100 m livre) e dois com os revezamentos (4×50 m e 4×100 m livre). O Flamengo fechou a quinta etapa do José Finkel na liderança, com 1.908,50 pontos, seguido pelo Minas Tênis Clube, com 1.850,50 pontos, e o Corinthians, com 1.583 pontos. Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Correios, Audi, Gatorade e Arena.

Cesar Cielo está na final dos 100 m livre no José Finkel

Cielo ainda nada final dos 100 m livre, eliminatórias e semi dos 50 m borboleta

O velocista nada a final da prova nesta sexta-feira, mais os 50 m borboleta e o revezamento 4×100 m livre, por pontos para o Flamengo São Paulo – Cesar Cielo foi o mais rápido nas semifinais dos 100 m livre, nesta quinta-feira (23/8), na piscina do Sesi Vila Leopoldina, no quarto dia de provas do Troféu José Finkel. Cielo se classificou para a disputa de medalhas com o tempo de 47s42. Os outros dois mais rápidos foram Nicolas Oliveira (47s56) e Fernando Ernesto Pires dos Santos (47s82). O velocista, que defende o Flamengo, terá uma maratona pela frente nesta sexta-feira (24/8). Nada as eliminatórias dos 50 m borboleta pela manhã, a partir das 9 horas, e à noite, a partir das 18 horas, disputa a final dos 100 m livre, a semifinal dos 50 m borboleta e o revezamento 4×100 m livre. O índice para o Mundial em Piscina Curta (25 metros) de Istambul (TUR), em dezembro, para os 100 m livre é 46s99. “Achei que pudesse ser um pouco mais rápido. O nível técnico da prova foi bom e, mesmo assim, fiquei bem próximo do índice. Agora, o cansaço começa a bater. Não está fácil porque tanto o Nilo (Nicolas Oliveira) quanto o Ernesto estão bem. O recorde está fora de cogitação (sul-americano e brasileiro, de 45s74, dele próprio), mas acho que posso nadar pelo índice. Vou nadar para ganhar”, observou. Cielo observou que também não terá facilidade nos 50 m borboleta, dessa vez em duelo com Nicholas dos Santos. “Em piscina curta, o Nicholas é mais técnico do que eu nos 50 m borboleta. Vou tentar fazer o melhor porque quero ganhar a prova, mas não será fácil”, disse. Observou que em piscina curta o domínio é mais dividido porque “todo mundo se sente em casa nadando em 25 metros”. “Piscina curta é como quadra dura de tênis, cada um tem uma no quintal de casa”, brincou. Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Correios, Audi, Gatorade e Arena.

Cesar Cielo leva ouro com recorde no Troféu José Finkel

Nadador, que já está desgastado após a Olimpíada, ficou surpreso com os bons tempos que fez na competição: “Acho que essa piscina tem 24 metros e meio e não 25”, brincou São Paulo – O velocista Cesar Cielo, do Flamengo, venceu os 50 m livre no Troféu José Finkel com o bom tempo de 20s59, recorde do campeonato (a marca anterior, de 20s80, era dele mesmo, de 2010). Cielo fez dobradinha com o companheiro do Flamengo, Nicholas dos Santos, que ficou com a prata, com 21s53. Bruno Fratus levou o bronze, com 21s59. Cielo fez o índice para o Mundial de Istambul em piscina curta, que será em dezembro, pela terceira vez desde o início do Finkel, na segunda-feira. Cada vez que caiu na água baixou um pouco a marca (21s29). Fez exatos 21s29 nas eliminatórias, 21s19 nas semifinais e 20s59 na final. Cielo ainda fez o melhor tempo do ano no mundo em piscina curta – a melhor marca era do polonês Konrad Czerniak (20s88). E ficou bem perto do recorde sul-americano, de 20s51, dele mesmo, estabelecido no Mundial de Dubai, em 2010, quando ganhou a medalha de ouro nos 50 m livre. “Estou até achando que essa piscina está com 24 e meio e não com 25 metros”, brincou, referindo-se ao bom tempo que fez depois da Olimpíada. “Tem sido melhor do que eu esperava, estou bem surpreso com o placar. Vim aqui ‘brincando’ e quase fiz o melhor tempo da minha vida.” Cielo disse que a sensação em relação ao corpo é estranha porque os nadadores já estão começando a perder a forma após a Olimpíada. “Estou perdendo força com o passar dos dias. Se fosse comparar com Dubai, eu não diria que chegaria tão perto assim do tempo que me fez ser campeão mundial em 2010. Me surpreendeu bastante e se eu tivesse feito uma chegada melhor teria sido melhor do que o tempo de Dubai. Então, acho que tenho de comemorar bastante. Eu vim para cá achando que nem 20s9 sairia e fiz um dos melhores tempos da minha vida. Estou bem satisfeito com o resultado dessa prova.” Cielo ainda não sabe se vai disputar o Mundial de Istambul, apesar de ter o índice. “Olha, eu não quero pensar no Mundial agora. Nesta semana, estou tentando ficar o mais relaxado possível, tentando não me colocar tanta pressão. Mas tem os pontos que eu quero somar para o Flamengo, o duelo pessoal com outros atletas que não quer perder. Então, não vou pensar muito nisso não. Quero que esta semana termine logo e daí, depois de um tempinho de férias, dá para decidir se eu vou para o Mundial. Acredito que esse tempo de hoje fosse suficiente para pegar uma medalha lá em Istambul.” Cielo disse que a natação está crescendo nos clubes de futebol e isso é muito bom porque eles são fortes, com grandes torcidas, e podem ajudar a popularizar o esporte no Brasil. “O Thiago (Thiago Pereira, prata em Londres) trouxe uma medalha olímpica para o Corinthians. O Kaio Márcio e o Henrique Rodrigues, da seleção, estão nadando pelo Fluminense. Eu estou com o Flamengo. Apesar de sermos bem amigos fora d’água, tem uma briguinha sim… Quando chega na hora do revezamento, em que estamos competindo entre clubes, temos rivalidade. Espero que outros clubes também invistam na natação.” O Minas Tênis lidera o Troféu José Finkel, com 798 pontos, mas o Flamengo está bem próximo, com 786,50, seguido pelo Corinthians, que soma 597. Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Correios, Audi, Gatorade e Arena.

Cielo vai à final dos 50 m livre com índice para Mundial

Cesar Cielo faz índice para o Mundial duas vezes

No Troféu José Finkel, em São Paulo, o velocista foi o mais rápido das semifinais (21s19) e ainda fechou a noite com ouro e recorde sul-americano no 4×50 m livre São Paulo – O velocista Cesar Cielo, do Flamengo, foi o mais rápido das semifinais dos 50 m livre nesta segunda-feira (20/8), com 21s19, na piscina do Sesi Vila Leopoldina, em São Paulo, no Troféu José Finkel. Cielo fez índice, de 21s29, para o Mundial de Piscina Curta de Istambul, em dezembro, duas vezes no mesmo dia. Nas eliminatórias, pela manhã, nadou os 50 m em exatos 21s29. A final dos 50 m livre será nesta terça-feira (21/8), num programa de provas que terá início às 17h30. Cielo ainda fechou o primeiro dia de competições com ouro e recorde sul-americano no revezamento 4×50 m livre. Cielo vai nadar a decisão do José Finkel com Nicholas Santos (21s40), Bruno Fratus (21s73), Daniel Orzechowski (22s00), Andre daudt (22s05), André Pereira (22s12), Gabriel Mangabeira (22s13) e Marcelo Chierighini (22s13). Os repórteres quiseram saber se a tristeza que sentiu por não trazer a medalha de ouro – ganhou bronze nos Jogos Olímpicos de Londres, nos 50 m livre – já passou. “Não dá para viver do passado. Se ficar para baixo, o único prejudicado vou ser eu. 2016 é em casa. Não quero deixar a minha motivação cair, a minha capacidade técnica e o meu ritmo caírem, quero mostrar para os outros que estou vivo. Dá para sonhar com 20s9 amanhã e pensar no futuro. O passado serve de experiência mesmo. Não adianta ficar querendo mudar o passado, sonhando com o passado, porque o mais importante é sempre o próximo campeonato. Agora é pensar em 2016.” Cielo observou que os nadadores estão desgastados, depois da temporada olímpica. “Falei para o Nicholas(Nicholas Santos) que a gente quer levar a sério, mas estamos cansados… Vamos ter uma semana mais tranquila, nem tão rigorosa como tínhamos antes da Olimpíada. Aquecer menos,soltar mais”, disse Cielo. “Piscina curta é muito bacana. Gosto de nadar competições em curta. Tive muito sucesso em piscina de jardas nos Estados Unidos. Então vamos aproveitar, curtir um pouquinho a competição que, desta vez, não precisa ser tão sofrida. E tentar ajudar o Flamengo a ganhar.” Cesar Cielo disse que estava se sentindo bem e desacelerou no final – acha que ainda pode ganhar alguns centésimos, nadar na casa dos 20s9. “Por essa desacelerada que eu dei aí no final, acho que posso ganhar alguns centésimos. Fiquei feliz pelo Nicholas – fazia tempo que ele não nadava abaixo de 21s5. Bacana ver o grupo nadando bem, conseguindo achar raça. Acho que minha disputa amanhã vai ser com ele, tem uma grande saída, uma grande virada, fundamentos muito bons. Não posso só ficar pensando em nadar 20 segundos para não vacilar e perder para o Nicholas.”

Cesar Cielo e Nicholas Santos: dupla do Flamengo na final do Finkel

Revezamento: ouro e recorde continental Cesar Cielo abriu o revezamento 4×50 m livre com o tempo de 20s81, dando início ao caminho para o recorde sul-americano da prova em piscina curta, batido com os companheiros do Flamengo, Nicholas Santos, Bernardo Novaes e Thiago Sickert: 1min25s28. O Pinheiros ficou com a prata (1min26s89) e o Fluminense (1min28s76), com o bronze. “Optamos por uma estratégia camicase. Por causa das marolas, era importante nadarmos na frente. O importante foram os 21 segundos dos meninos, o Bernardo e o Thiago. Apesar de o Pinheiros ter tradição, o Flamengo vem ganhando esse revezamento desde 2010”, afirmou Cesar Cielo. O Flamengo fechou o dia na liderança da competição com 505 pontos, seguido pelo Minas Tênis Clube (443) e Corinthians (348). Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Correios, Audi, Gatorade e Arena.

Cesar Cielo nada Troféu José Finkel pelo Flamengo

O velocista vai disputar seis provas por pontos para o clube: 50 m livre e borboleta, 100 m livre e os revezamentos 4×50 m e 4×100 m livre e 4×100 m medley; depois, férias São Paulo – O campeão mundial e olímpico da natação brasileira Cesar Cielo ficou longe da piscina por apenas quatro dias antes de retomar o trabalho – dando uma esticada na temporada olímpica – para o Troféu José Finkel, de segunda-feira a sábado (20 a 25/8), no Sesi Vila Leopoldina, em São Paulo. Cielo, de 25 anos, vai nadar pelo Flamengo todas as provas em que é especialista – 50 m e 100 m livre, 50 m borboleta e os revezamentos 4×500 m e 4×100 m livre e 4×100 m medley. A primeira prova de Cielo será os 50 m livre, com eliminatórias e semifinais na segunda-feira (20/8) e final na terça-feira (21/8). Para encarar o José Finkel após a Olimpíada enfrentou treinos leves e uma dieta “com algumas escapadinhas”. Mas, como o primeiro semestre foi muito regrado, com treinos pesados e dieta rigorosa, Cielo acha que a bagagem acumulada vai ser carregada para o Finkel e espera somar pontos para o Flamengo. “Todas as minhas provas têm eliminatórias, o que significa nadar três vezes cada uma, mas vou tentar ganhar e quem sabe faço algum índice. Mas primeiro vou nadar para o Flamengo mesmo.” O José Finkel é seletivo para o Mundial de Piscina Curta de Istambul (TUR), em dezembro. “Vou usar o tanque reserva”, brincou Cielo. “A competição em si é tranquila. Mas essa preparação para entrar na competição logo após a Olimpíada não é fácil, não. Fica difícil acordar com o alarme, vir para a água fria de manhã, comer certinho. Foi uma contagem regressiva – 10 dias para o Finkel, 9 dias, 8 dias… Mas nós já sabíamos que haveria a competição e vamos usar o que ainda temos de reserva para defender o Flamengo da melhor forma que conseguirmos. O corpo nem tanto, mas a cabeça, sim, está bem cansada”, resumiu Cielo, que trouxe de Londres sua terceira medalha olímpica, o bronze nos 50 m livre. Cielo terá como companheiras na competição as nadadoras australianas Marieke Guehrer e Kelly Stubbins, que vieram ao Brasil para nadar o Finkel pelo Flamengo. “Era difícil trazer estrangeiros justamente porque todo mundo estava trabalhando para a Olimpíada. Tinha de achar nadadoras que se encaixassem perfeitamente. E elas estão treinando para o Mundial de Piscina Curta – vai ter seletiva australiana – e, se não estão na melhor forma, estão perto.” “Foi bom para o Flamengo”, prosseguiu Cielo. “A Marieke ganhou o título de rainha da Copa do Mundo de 2010, tem vários dos melhores tempos em piscina curta nos 50 e 100 m livre, 50 e 100 m borboleta e nos 50 m costas. Tem um leque de provas muito bom para piscina curta. A Kelly foi medalhista em Dubai. E é legal para dar uma puxada nas meninas aqui no Brasil. Espero que seja uma situação de ganho para todo mundo, para a natação do Flamengo, para a natação feminina do Brasil, ter essas duas atletas puxando as provas. Espero que, de alguma forma, a gente consiga ajudar as meninas. Os índices estão muito fortes no Brasil e temos de dar um jeito de voltar a ter as mulheres, que se dedicam tanto quanto os homens, nas competições.” Cielo vai tirar férias depois do Finkel, ainda não sabe por quantos dias – duas ou três semanas, provavelmente. As férias podem até ser num lugar mais frio, talvez com neve, ainda não sabe, mas, com certeza, longe da piscina e até da praia. “A hora em que eu sentir falta da piscina vai ser a hora de voltar. A gente reclama bastante, mas a vida é tão regrada que a hora que tira essa rotina parece que a gente fica perdido. Então, quando eu sentir falta, eu volto. Acho que o mais importante agora é descansar a cabeça para voltar com vontade de treinar para, no ano que vem, voltar a buscar medalha nos 50 m livre.” Para o Mundial de Barcelona (ESP), no ano que vem, Cesar Cielo disse que vai focar nos 50 m livre e nos 50 m borboleta, as duas provas que venceu no Mundial de Xangai/2011. “Acho que vou focar mais na velocidade mesmo. Se eu sentir que os 100 m livre estão saindo, vamos focar nele também, mas as prioridades serão os 50 m livre e borboleta. Vamos ver como eu vou me sair nas competições preparatórias. Mas a moldura da temporada, a estrutura, continua a mesma.” Novas “flamenguistas” Este ano, o Flamengo terá o reforço das australianas Marieke Guehrer e Kelly Stubbins no Troféu José Finkel. Marieke está no Brasil pela segunda vez – há quatro anos, nadou uma etapa da Copa do Mundo em piscina curta em Belo Horizonte. Para Kelly, porém, tudo é novidade. “Estou me divertindo muito até agora. Cesar é o nosso guia e seria muito bom poder ficar mais tempo e conhecer mais lugares”, diz Kelly. As nadadoras terão pouco tempo no Brasil depois da competição. “Vamos ficar mais um dia e meio, o que é até bastante. Normalmente, viajamos de volta no dia seguinte”, acrescentou Marieke. Marieke conta que foram elas que procuraram Cielo, no início do ano, para perguntar sobre a possibilidade de disputarem uma competição de clubes no Brasil. “Nós já sabíamos que os clubes brasileiros contratam estrangeiros para suas competições, mas estávamos pensando em alguma coisa para o ano que vem. Cielo disse: ‘Que tal em agosto?’ E aqui estamos.” As nadadoras não sabiam da força do Flamengo no futebol. “Depois nos contaram que é o time com maior torcida no Brasil. E agora tem duas torcedoras a mais”, brincou Marieke, que já aprendeu duas palavras em português: obrigada e Mengo. A atleta espera seguir na natação por mais quatro anos para tentar disputar os Jogos do Rio, em 2016. “Acho que vai ser uma grande festa.” Para Kelly, o problema maior é patrocínio. “Vamos ver o que consigo de recursos nos próximos anos.” Segundo Marieke, é muito caro nadar na Austrália. “Na verdade, nós pagamos aos clubes para nadar em vez de sermos pagas. Não importa se você é campeã olímpica, campeã mundial. Ainda tem de pagar ao clube para treinar com seu técnico. Os recursos vão para a seleção. Se você não está na seleção, não tem recursos.” A Austrália tem tradição na natação, o que, para Marieke, explica em parte os bons resultados do país. “Nunca ficamos fora dos Jogos Olímpicos, por exemplo. Isso é uma história de mais de cem anos. As crianças aprendem a nadar desde cedo, temos muitas piscinas, infraestrutura… É preciso tempo, investimento, para um país se destacar em um esporte”, observou Marieke. Segundo a nadadora, o mais importante para chegar à elite é o comprometimento com a excelência, a procura constante da perfeição. “Há nadadores que fazem quilômetros e quilômetros na piscina e acabam se esquecendo da técnica”, observou Marieke. “É essencial conversar com o técnico e tentar achar um modo de tirar o máximo de você. Isso significa trabalhar a técnica, a habilidade e também a parte na piscina.” Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Correios, Audi, Gatorade e Arena.

Cesar Cielo nada o Troféu José Finkel

O velocista do Flamengo terá a companhia das australianas Marieke Guehrer e Kelly Stubbins na competição, em São Paulo, a partir desta segunda-feira (20/8)
Cielo disputa o José Finkel pelo Flamengo
São Paulo – O velocista Cesar Cielo ainda não teve folga após a conquista do bronze nos 50 m livre, sua terceira medalha olímpica, nos Jogos de Londres. A partir de segunda-feira (20/8), Cielo disputa o Troféu José Finkel pelo Flamengo. A competição, na piscina do Sesi Vila Leopoldina, segue até sábado (25/8) e, em princípio, Cielo nadará todas as suas provas, os 50 m e 100 m livre, os 50 m borboleta e os revezamentos, para somar pontos para o Flamengo, vencedor do último Troféu Maria Lenk.
Cielo mostra a medalha de bronze olímpica
“É o compromisso que os nadadores têm com seus clubes. Apesar de ser um momento em que estão precisando de férias, em que o corpo está pedindo descanso por causa do grande desgaste emocional e físico da Olimpíada, têm de aproveitar ainda a condição física que resta da temporada para somar pontos para os clubes, muito importantes no desenvolvimento da natação brasileira”, afirmou o técnico Alberto Silva, do PRO 16. Por intermédio da Cielo Sports, Cesar Cielo está trazendo para a competição as australianas Marieke Guehrer e Kelly Stubbins. “A vinda delas tem a ver com o custo-benefício para o Flamengo. Elas podem ganhar várias provas e somar pontos para o clube, mas também podem estimular a natação feminina. O intercâmbio com as estrangeiras sempre é válido para as meninas”, disse Cielo. Marieke, de 26 anos, de Adelaide, especialista nos estilos borboleta e costas, foi campeã mundial nos 50 m borboleta em 2009 e recordista mundial dos 50 m borboleta e 50 m costas em piscina curta. Seu tempo nos 50 m borboleta em piscina curta, 24s69, é o segundo melhor da história. A especialidade de Kelly, de 28 anos, natural de Melbourne, é o estilo livre. No José Finkel, vai nadar os 50, 100, 200 m e os revezamentos. Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Correios, Audi, Gatorade e Arena.