Cesar Cielo vence os 100 m livre e fecha Sul-Americano com cinco ouros

O velocista mostrou que está no caminho certo em sua preparação para Londres ao cravar o primeiro tempo do mundo nos 50 m livre e o terceiro nos 100 m livre
São Paulo – O velocista Cesar Cielo voltou a ser rápido e levou a medalha de ouro também nos 100 m livre, em 48s70, recorde do campeonato e terceiro melhor tempo do mundo este ano, no último dia de disputas da natação no Sul-Americano de Esportes Aquáticos de Belém (PA), na piscina do parque aquático da Uepa/Esef, neste sábado (17/3). Cielo, nadador do Flamengo, havia nadado a prova uma única vez este ano, no GP do Missouri, e tinha a marca de 49s51, a 29º do ano. Subiu para terceiro, num momento em que ainda treina pesado e não tem sua velocidade total. O tempo de Cielo melhora o recorde do campeonato (49s62) que havia sido batido há dez anos (17/3/2002), no mesmo local, pelo baiano Edvaldo Valério.
Cielo voltou para a piscina para nadar o revezamento 4×100 m livre do Brasil. Foi o terceiro a cair na água, depois de Gláuber Silva e Bruno Fratus para abrir grande vantagem e entregar na frente para Henrique Rodrigues fechar em 3min20s07, recorde do campeonato e medalha de ouro. Foi o segundo ouro de Cielo no último dia de competição e o quinto no Sul-Americano. Cielo também venceu os 50 m livre (21s85) e os 50 m borboleta (23s26), nas duas provas com o melhor tempo do mundo, e ainda ajudou na conquista do título com o revezamento 4×100 m medley.
Fez um balanço positivo da disputa. “Fiquei muito satisfeito com essa competição. Queria fazer os 100 m em um tempo entre 48s6, 48s7, e foi em cima da pinta, muito bom. É sinal que o trabalho está dando muito certo. É importante criar confiança para nadar bem em Londres”, disse Cielo, que deseja chegar mais rápido ao Troféu Maria Lenk, de 24 a 28 de abril, no Rio de Janeiro. “Quero chegar ao Maria Lenk, vamos dizer, que em 90% da forma – deixar os 100% para a Olimpíada mesmo – e continuar nessa progressão para chegar bem afinado, bem rápido, na Olimpíada.” Cielo também comemorou a dobradinha com o brasileiro Bruno Fratus (49s69), uma repetição dos 50 m, assim como a medalha de bronze, que ficou com o argentino Federico Gabrich (49s77).
Nas eliminatórias, pela manhã, Cielo nadou os 100 m livre em 50s13. Os melhores tempos foram do venezuelano Cristian Quintero (50s05) e do uruguaio José Alvez. Cielo disse que estava cansado, mas que, à noite, queria nadar a prova na casa dos 48 segundos. Largou na raia 2, mas, como sempre, teve uma boa saída do bloco, nadou rápido, mas controlando os primeiros 50 metros, e voltou na frente nos últimos 50, com grande vantagem sobre os rivais para fechar a prova em 48s70.
O técnico Alberto Silva, o Albertinho, de Cielo e do Projeto Rumo ao Ouro em 2016, o PRO 16, disse que os objetivos na competição foram cumpridos. “O Sul-Americano era uma competição preparatória. Treinamos normalmente até a véspera, fizemos musculação, mas eu queria que eles se pressionassem, que dessem algo a mais e o parâmetro era o ranking. Deu tudo certo. Eu queria que ele desse uma crescida no ranking e a meta foi cumprida à risca – ficar em primeiro do mundo nos 50 m livre e em terceiro nos 100 m livre”, avaliou Albertinho.
Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Correios, Audi, Gatorade e Arena.

Cesar Cielo manda nos 50 m livre: ouro e melhor tempo do mundo no Sul-Americano de Belém

Com a inscrição Cielooooo! na touca, alusão à velocidade, o brasileiro fez 21s85 para assumir a ponta do ranking mundial da prova em que é campeão olímpico
São Paulo – Cesar Cielo não deu chance aos adversários e mostrou superioridade na vitória nos 50 m livre, em 21s85, melhor tempo do ano no mundo e recorde do campeonato, nesta sexta-feira (16/3), no Sul-Americano de Esportes Aquáticos de Belém (PA), na piscina do parque aquático da Uepa/Esef. Cielo só havia nadado a prova uma vez este ano, no Grand Prix do Missouri, em fevereiro, em 22s13 – era o sexto do ranking, mas agora tomou o topo do norte-americano Nathan Adrian (21s94). Cielo volta à piscina da Uepa/Esef neste sábado (17/3), para as eliminatórias dos 100 m livre, a partir das 10 horas. As finais começam às 19 horas. Como na abertura do Sul-Americano, na quarta-feira (14/3), quando venceu os 50 m borboleta também com a melhor marca do ano no mundo, Cielo voltou a usar a touca com a inscrição Cielooooo!, uma alusão à velocidade, inspirada pelo italiano Valentino Rossi, nove vezes campeão mundial de motovelocidade. “O Rossi escreveu ´Go!!!!!!!´ na moto dele. Eu não quis repetir os pontos de exclamação, aí, decidi repetir os ´os´”, contou o campeão. “Mas é mesmo uma coisa de velocidade: quando vê, já passou.” Cielo respirou e se soltou na eliminatória dos 50 m livre na manhã desta sexta-feira. Ficou com o quarto tempo na classificação, 23s01, deixando claro que a marca estava muito acima da que poderia fazer na final. Disse que o clima estava muito quente, que não estava acostumado com tanto calor, mas que isso não era desculpa e trataria de nadar melhor na luta por medalhas. Bruno Fratus, com 22s17, havia sido o mais rápido nas eliminatórias. Na final, Cesar Cielo, na raia 6, fez uma excelente largada e nadou na frente do início ao fim, sem ser ameaçado. Bateu, procurou o cronômetro para conferir o tempo, acenou para o público e cumprimentou Bruno Fratus, medalha de prata, com 22s13. A medalha de bronze ficou com o argentino Federico Grabich, com 22s50. “Estamos caminhando, se Deus quiser, para fazer, quem sabe uma dobradinha em Londres”, disse Cielo, ao lado de Bruno Fratus, na entrevista na saída da piscina. Apesar de registrar o melhor tempo do mundo no ano, disse que “a sensação foi melhor do que o tempo”. Emendou: “Achei que estava mais rápido. Mas é sempre bom mandar um recado para os nossos adversários, com mais um melhor tempo do mundo.” Cielo ainda agradeceu ao público, nas arquibancadas, pela torcida. “Parece até um jogo de futebol, um gol em Copa do Mundo. É bom poder aproveitar essa fase, em que ainda estou um pouco mais descontraído, para curtir o carinho do público.” Dream Team Cesar Cielo ainda voltou para a disputa do revezamento 4×100 m medley. Thiago Pereira nadou o estilo costas e entregou na frente para Felipe França nadar o estilo peito. O campeão mundial ainda abriu vantagem e Kaio Márcio nadou os 100 m borboleta também entregando com folga para Cielo, que registrou a parcial de 49s13 nos 100 m livre. O Brasil levou o ouro em 3min40s34, batendo um recorde de campeonato que tinha 12 anos. Foi o terceiro ouro de Cielo na competição. “Foi muito bacana juntar os quatro nadadores que vem tendo sucesso nos últimos tempos. O Kaio, com os resultados de Dubai, o Thiago, desde o Pan, o Felipe, campeão mundial… É o nosso Dream Team, que, quem sabe poderá disputar uma final na Olimpíada”, disse Cielo. Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Correios, Audi, Gatorade e Arena.

Cielooooo!, como na touca, foi rápido: ouro e melhor tempo do ano nos 50 m borboleta

Os “os” e o ponto de exclamação foram inspirados na motovelocidade e o campeão mundial e olímpico voou na abertura da natação no Sul-Americano de Belém
São Paulo – Com uma touca diferente – compondo o BRA, de Brasil, com o Cielooooo! – o velocista Cesar Cielo estreou bem no Campeonato Sul-Americano de Desportos Aquáticos, em Belém, no Pará, nesta quarta-feira (14/3). Cielo ganhou a primeira prova do programa da natação, na piscina da Uepa/Esef, os 50 m borboleta, em 23s26, recorde do campeonato e o melhor tempo do ano no mundo. O australiano Matthew Targett liderava o ranking mundial dos 50 m borboleta, prova que não é olímpica, com 23s51. O brasileiro Gláuber Silva, com 23s64, levou a medalha de prata. A de bronze foi para o venezuelano Albert Subirats, com 23s78.
“A inspiração para a nova touca veio do Valentino Rossi (piloto italiano, nove vezes campeão mundial de motovelocidade). Quando vê, já passou”, brincou Cesar Cielo, referindo-se, também ao bom resultado nos 50 m borboleta em Belém. “Fui bem! Fiquei ainda mais impressionado porque foi debaixo de chuva, com vento. Deu para me motivar para os 50 m e 100 m”, disse Cielo, que ainda está numa fase de treinamento intenso, sem explosão.
“Não sabia que era o melhor tempo do mundo. Ainda na segunda-feira treinei normal, fiz musculação (nadou 7 mil metros e fez uma hora e meia de musculação). Essa é uma prova que tem me dado muita felicidade, bem descontraída, não tenho pressão nenhuma. Agora vou ficar mais confiante, mais ambicioso para os objetivos para a Olimpíada. Estou no caminho certo”, disse Cielo, que, em Londres, defenderá o seu título de campeão olímpico nos 50 m livre (em que também é bicampeão mundial e recordista mundial). Quer, ainda, o pódio nos 100 m livre – em Pequim/2008 levou o bronze na prova em que é o recordista mundial.
“Agora vai ser a hora da verdade. Os 50 borbo me deixaram bem empolgado para tentar nadar bem as minhas provas”, disse Cielo. Cielo só nadou suas provas uma vez este ano, em fevereiro, no GP do Missouri – ganhou os 50 m, com 22s13, e os 100 m, com 49s51. Quer tempos melhores em Belém. Nada os 50 m livre na sexta-feira e os 100 m livre no sábado, num programa que tem eliminatórias pela manhã, a partir das 10 horas, e finais à noite, a partir das 19 horas.
Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Correios, Audi, Gatorade e Arena.

Sul-Americano é o segundo desafio de Cielo na temporada

Ainda distante da velocidade que deseja em ano olímpico, nadador disputa os 50 m borboleta, os 50 m e os 100 m, livre, na competição, de 4ª a domingo.
São Paulo – O campeão olímpico e bicampeão mundial dos 50 m livre, Cesar Cielo, estreia no Campeonato Sul-Americano de Belém, na piscina da Uepa/Esef, nesta quarta-feira (14/3), nos 50 m borboleta, uma prova que nem é olímpica, mas servirá para quebrar o gelo do restante da competição. As eliminatórias serão realizadas pela manhã, a partir das 10 horas, e as finais à tarde, em um programa de provas que começa às 19 horas. O nadador do Flamengo ainda disputa as suas especialidades, os 50 m livre, na sexta-feira (16/3), e os 100 m livre, no sábado (17/3) – também deve ser escalado para os revezamentos do Brasil 4×100 m livre e 4×100 m medley. “Mais uma vez, assim como foi no GP de Missouri, vamos tentar analisar como está a preparação e a forma física que estamos conquistando nos treinamentos neste Sul-Americano de Belém. Nos 50 m borboleta, que não é uma prova olímpica e não está valendo índice para Londres, será bom ter um adversário como o venezuelano Albert Subirats. Não sei em que fase de preparação ele está, se está vindo pesado, mas é um nome importante na natação sul-americana”, afirmou Cielo. “Nos 50 m e nos 100 metros livres também vou encontrar venezuelanos e argentinos, além dos brasileiros”, disse Cielo, que viajou nesta terça-feira (13/3) para o Pará, junto com os companheiros do Projeto Rumo ao Ouro em 2016 (o PRO 16). O objetivo de Cielo na temporada é defender seu título de campeão olímpico nos 50 m livre e buscar mais uma medalha nos Jogos de Londres nos 100 m livre – em Pequim levou o bronze na prova, em que é o atual recordista mundial (46s91). Também é o recordista mundial dos 50 m livre (20s91). Nadou apenas uma competição até agora na temporada, o GP do Missouri, em fevereiro – ganhou os 50 m, com 22s13, e os 100 m, com 49s51. “É claro que estamos sempre observando o que todos estão fazendo no mundo e quero melhorar no ranking, mas agora os meus parâmetros vão ser os tempos que eu fiz no Missouri”, disse o barbarense, de 25 anos, Cesar Cielo. Explicou que ainda está em uma fase pesada de preparação. Na segunda-feira (12/3), véspera da viagem, nadou 7 mil metros, em dois períodos de treino, e fez uma sessão de musculação de uma hora e meia. “O pessoal está fazendo potência, mas eu ainda estou trabalhando com força. Fico mais travado que os caras, mais duro, ainda sem explosão”, comparou com os companheiros de treinos, no PRO 16. O técnico Alberto Silva, da seleção brasileira e comandante do PRO 16, observou que Cielo está em uma fase em que já começa a nadar um pouco mais rápido, com a diminuição do volume de treinamento em relação a como estava no GP do Missouri, de 10 a 12 de fevereiro. “Mais ainda dei uma carregadinha nos treinos, ele usou paraquedas… fizemos explosão também, mas ainda não estamos deixando ele ser muito rápido. Ele treinou normalmente, sem descanso ou polimento para o Sul-Americano, para nós, uma competição preparatória”, explicou Albertinho. Para o Sul-Americano, Albertinho observou que Cielo poderá melhorar seus tempos na temporada tanto nos 50 m livre como nos 100 m livre. “Essa é a meta, o desafio. Não é como quando se está polido e também porque o ranking vai estar mudando muito – esta semana, tem seletivas australianas, os caras buscando vaga na seleção deles que vai para Londres. Vai ser mesmo um desafio de melhorar os tempos.” Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Correios, Audi, Gatorade e Arena.