Flamengo recebe Cesar Cielo e campeões no Pan

O velocista, que trouxe quatro ouros do México, disse que a partir de 2 de janeiro treina com o foco totalmente voltado para o bicampeonato olímpico em Londres
Rio de Janeiro – O campeão olímpico e mundial Cesar Cielo e seus companheiros de Flamengo que trouxeram medalhas para o Brasil dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara foram recebidos pela presidente Patrícia Amorim, nesta quarta-feira (26/10), na sede da Gávea. Junto com Cielo – que trouxe quatro ouros do Pan – foram mostrar suas medalhas a Patrícia os nadadores Leonardo de Deus, Henrique Rodrigues e Joanna Maranhão. Cielo descansa um pouco, disputa o Brasileiro Sênior e o Open de Natação em dezembro, e depois, a partir de 2 de janeiro, coloca todo o seu foco nos Jogos de Londres/2012. “É uma honra para o Flamengo receber parte da equipe de natação que foi ao Pan e conquistou  um número tão significativo de medalhas. Vocês encheram de orgulho não só a nação rubro-negra mas todo o povo brasileiro. Fico muito satisfeita de ver que o nosso investimento vem rendendo frutos. Não é fácil um clube de futebol ter um investimento grande em natação. Algumas pessoas falam que é um ´devaneio olímpico´. Mas quando vemos resultados assim, temos a sensação de dever cumprido”, afirmou a presidente do Flamengo, Patrícia Amorim, que recebeu os medalhistas pan-americanos na Gávea. Cielo observou que as vitórias da natação em Guadalajara vêm de um trabalho feito desde 2006 e depois, no Pan de 2007, com as conquistas do Thiago Pereira. “Passamos alguns anos com resultados pobres, mas isso foi uma transição, uma mudança de gerações. Hoje, os nadadores estão acreditando mais em se tornarem  profissionais, estão vendo que as conquistas são possíveis. Se eu ganhei, os outros podem ganhar também, todos estão acreditando mais. Temos um staff muito bom também, bons técnicos, uma boa estrutura e isso tem tudo para continuar até 2016”, afirmou. Sonho do bi olímpico Cielo tira férias antes de retornar aos treinos para os Jogos Olímpicos de 2012. “Temos um bom tempo ainda para construir um treinamento. Acho que no final de fevereiro, começo de março, já vou estar em forma de novo. A partir do dia 2 de janeiro volto aos treinos.” Questionado sobre o tempo de 21s30 que queria fazer nos 50 m livre não sair no Pan (levou o ouro com 21s58, recorde pan-americano), Cielo ficou surpreso e disse que, pessoalmente, não havia fixado uma marca para alcançar. “Nunca falei isso, não, apesar de não estar muito longe do que eu queria. Foi o Albertinho (o técnico Alberto Silva, do PRO 16), que ficou empolgado e colocou esse tempo. A prova foi boa, mas ao mesmo tempo não foi tão boa. Não tive uma saída tão boa, mas tem uma janela importante para eu melhorar até a Olimpíada.” Temos um bom tempo ainda para construir um treinamento. Acho que no final de fevereiro, começo de março, já vou estar em forma de novo. A partir do dia 2 de janeiro volto aos treinos. “O sonho agora é conquistar o bi olímpico. Com certeza vou fazer o melhor que eu puder e vou treinar muito para conquistar os melhores resultados da minha vida.” Sobre a organização do Pan Cielo observou que o Brasil soube conduzir muito bem os problemas que encontrou. “Acho que nosso período de aclimatação em San Luis Potosí ajudou muito, uniu o grupo. Saímos de lá muito focados e ficamos juntos até o fim da competição. Em todas as provas, contamos com a torcida dos outros nadadores do Brasil nas arquibancadas e isso foi o mais importante. Se tinha problemas para um, tinha para todo mundo.” Camisa do Flamengo no Pan Cielo agradeceu a recepção da presidente Patrícia Amorim, que foi nadadora e defendeu o Brasil, e disse que representar o Flamengo “não é como nadar em um clube pequeno”. É um clube que tem história na natação. “Estamos fazendo parte de um projeto de resgate da natação do clube, um projeto que terá continuidade. Nadar no Flamengo é especial, é muito bom chegar nas competições e encontrar uma faixa de torcida organizada.” Contou que em Guadalajara, no México, as pessoas paravam sua mãe, Flávia, nas ruas para saber do clube, porque ela estava usando a camisa do Flamengo. “O clube é muito forte e fazer parte desse resgate é uma sensação muito boa. Estamos respondendo na água a esse investimento e queremos continuar a fazer nosso melhor. No ano que vem, acho que vamos brigar pelo título no Troféu Brasil.” Patrícia observou que não tem como medir o valor que os nadadores trazem para a marca, mas o clube tem se diferenciado por apostar em outros esportes. “Acho que o Flamengo, hoje, é diferenciado por investir nos esportes olímpicos”, afirmou. (com assessoria de imprensa do Flamengo) Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Correios, Arena e Gatorade.

Cesar Cielo termina Pan de Guadalajara com quatro ouros e três recordes

Brasileiro ganhou os 50 e os 100 m livre, integrou os revezamentos campeões 4×100 m livre e medley e avisou os rivais que vai a Londres para o bi olímpico
São Paulo – Cesar Cielo fechou sua participação nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara com quatro medalhas de ouro e três recordes pan-americanos. Nesta sexta-feira (21/10), último dia de competições da natação, na piscina do Centro Aquático Scotiabank, Cielo integrou a equipe campeã no revezamento 4×100 m medley. O Brasil venceu com Guilherme Guido (costas), Felipe França (peito), Gabriel Mangabeira (borboleta) e Cesar Cielo (livre) em 3min34s58, a décima medalha de ouro da natação, que ainda ganhou oito de prata e seis de bronze, num total de 24. Cielo fez um balanço positivo de sua participação no Pan e deixou um recado para os adversários: “Vai ser difícil tirar de mim o bicampeonato olímpico nos 50 m livre.”
De volta ao Brasil, Cielo vai descansar, mas ainda nadará o XXI Campeonato Brasileiro Sênior e VII Open de Natação, de 14 a 18 de dezembro, no Rio, antes de o ano terminar. A partir de janeiro, todo o primeiro semestre de 2012 será dedicado à preparação para os Jogos Olímpicos de Londres.
No Pan, Cielo, que é nadador do Flamengo, já havia conquistado ouro nos 50 m livre (21s58), nos 100 m livre (47s84) e no revezamento 4×100 m livre, com Nicholas Santos, Nicolas Oliveira e Bruno Fratus (3min14s65), com recordes pan-americanos em todas as provas.
“O resultado desse revezamento foi melhor do que a gente esperava. Estou com dor na perna, na cabeça, mas vou entrar em férias super tranquilo, satisfeito. Quero dar parabéns ao Albertinho (o técnico Alberto Silva), pelo trabalho com o PRO 16. Eu queria montar um grupo de treinamento de elite, ele está comandando o projeto e de parabéns. Isso tudo vale a pena, são momentos como os que vivemos aqui que fazem tudo valer a pena.”
O técnico Alberto Silva fez uma avaliação da participação da seleção brasileira no Pan. “Na natação feminina, acho que o destaque foi a Graciele Herrman <i>(medalha de prata nos 50 m livre)</i>, que vem despontando e chegou perto do índice olímpico. A natação masculina foi bem, com uma campanha semelhante com a do Rio, em 2007, mas na altitude e nesta época do ano”, avaliou o técnico Alberto Silva, da seleção brasileira. Albertinho, que também comanda Cesar Cielo e o grupo do Projeto Rumo ao Ouro em 2016, PRO 16, acha que o principal atleta da natação fez um ótimo Pan. “O Cesão realmente confirmou o que se esperava dele e até surpreendeu. Sai de Guadalajara com quatro ouros, três recordes, um saldo muito bom – no Rio, em 2007, levou três outros e uma prata.”
Albertinho acrescentou que Cesar Cielo fez duas excelentes provas, nos 50 m livre e nos 100 m livre, em suas participações individuais. “Mostrou regularidade nos 50 m livre, com o segundo tempo do mundo no ano, e levou o ouro com recorde pan-americano em altitude e numa competição fora de época. A altitude o obrigou a respirar uma vez no final, perdendo um ou dois décimos. Um tempo muito rápido – o mais rápido do mundo pós-trajes – já está dentro dele”, disse Albertinho. “Nos 100 m, ele ganhou ouro com recorde e confiança. Voltou a ter grandes ambições na prova, o que já valeu o Pan. Nadou para 47 segundos no 4×100 m livre que o Brasil também ganhou, batendo um recorde forte.”
Parabéns de Calderón
Albertinho disse que sente muito orgulho de comandar Cesar Cielo e os nadadores do PRO 16. Contou que um representante do governo mexicano esteve na piscina com uma missão: pegar um autógrafo na touca do Brasil e tirar uma foto de Cesar Cielo para serem entregues ao presidente Felipe Calderón. O oficial colocou Cielo em contato com o presidente Calderón pelo rádio e o brasileiro ouviu parabéns por sua atuação nas provas de natação dos Jogos Pan-Americanos. Cielo convidou o presidente, que foi nadador, para comparecer a uma competição do esporte.
Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Correios, Arena e Gatorade.

Cesar Cielo ganha terceiro ouro no Pan, desta vez nos 50 m livre, e com recorde

O velocista nadou a prova em 21s58 e bateu sua própria marca pan-americana, de 21s84, que havia estabelecido nos Jogos do Rio, em 2007
São Paulo – Cesar Cielo ganhou a medalha de ouro nos 50 m livre nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara com 21s58, novo recorde da competição, no Centro Aquático Scotiabank, nesta quinta-feira (20/10). O recorde anterior, de 21s84, também era dele, dos Jogos do Rio, em 2007. Cielo, que é campeão mundial e olímpico e recordista mundial dos 50 m livre, agora também é bicampeão pan-americano na prova mais rápida da natação mundial. Foi o terceiro ouro de Cielo que finaliza sua participação em Guadalajara, nesta sexta-feira (21/10), nadando com a equipe do revezamento 4×100 m medley. O brasileiro Bruno Fratus ficou com a prata (22s05), em dobradinha com Cielo, e o cubano Hanser Garcia com o bronze (22s15).
Neste Pan, Cielo ganhou ouro nos 100 m livre com 47s84, segundo tempo do mundo no ano, recorde da competição e bicampeonato pan-americano, e com o revezamento 4×100 m livre (nadou com Nicolas Oliveira, Nicholas Santos e Bruno Fratus) – também estava na equipe campeã em 2007, nos Jogos do Rio.
“Estou satisfeito, mas achei que fosse nadar um pouco mais rápido. O fim da prova pesou. Tive de dar uma respirada no final, estava bem pesado. Sem a rampinha do bloco de partida – ele é um pouco diferente aqui – ter feito praticamente o mesmo tempo do Mundial (nadou a prova em 21s52 em Xangai) foi bom. Agora, é pensar no revezamento 4×100 m medley do Brasil”, disse Cielo. O nadador estava preparado para nadar mais rápido do que os 21s52 do Mundial, mas comemorou o ouro, o bicampeonato e o recorde pan-americano obtidos no fim de uma temporada desgastante.
Cesar Cielo também foi o mais rápido das eliminatórias dos 50 m livre – 22s17 – ´soltando´ nos últimos metros. O segundo melhor tempo ficou com o cubano Hanser Garcia (22s37) e o terceiro com o também brasileiro Bruno Fratus (22s44). Os competidores enfrentaram uma falha da cronometragem eletrônica na piscina do Centro Aquático Scotiabank – o problema estava na placa da raia 5. A falha começou a se evidenciar quando o tempo do nadador das Ilhas Cayman, Brett Fraser, que nadou a série 1, foi anunciado como 21s42 (o que seria recorde pan-americano e melhor tempo do mundo no ano, não fosse um engano). Depois de corrigida a falha, Fraser passou à final com o quarto tempo das eliminatórias: 22s73.
Cielo disse que percebeu o erro na cronometragem desde a primeira série. “Foi bom para acordar, para dar uma adrenalina nas eliminatórias.” De bom-humor, chegou a brincar com os colegas quando viu 21s42 no placar. “Eu vi que estava errado e comentei com o pessoal que assim eu ia nadar a prova em 19 segundos.” Disse que optou por soltar no final. “Escondi, não ia mostrar tudo”, emendou.
Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Correios, Arena e Gatorade.

Cesar Cielo quer título e recorde nos 50 m livre em Guadalajara

Velocista, que é campeão olímpico e bi mundial na prova, vai atrás do ouro e de melhores marcas, na competição e no ranking mundial
São Paulo – O velocista Cesar Cielo volta ao Parque Aquático Scotiabank, nesta quinta-feira (20/10), nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, para a disputa dos 50 m livre, sua prova preferida. O campeão olímpico e bicampeão mundial cai na piscina não só para defender o seu título, mas também em busca do melhor tempo do mundo no ano e, por tabela, o recorde pan-americano. Cielo venceu os 50 m livre nos Jogos Pan-Americanos do Rio com 21s84 (em 22/7/2007), recorde pan-americano. Este ano, ganhou o Mundial de Daegu com 21s52 – melhor marca do mundo no ano.
“Apesar do desgaste da temporada, acho que estou em melhor forma física agora do que no Mundial. São muitos detalhes nos 50 m livre, mas quero defender o meu título e vamos torcer pelo melhor tempo do ano”, disse Cielo, que neste Pan já conquistou duas medalhas de ouro, nos 100 m livre e no revezamento 4×100 m livre.
O técnico Alberto Silva, o Albertinho, que orienta Cielo no Projeto Rumo ao Ouro em 2016, o PRO 16, observou que a expectativa sobre o resultado nos 50 metros livre. que já era alta por causa da boa forma física do nadador e do fato de a prova não sofrer influência da altitude de Guadalajara (a cidade está a 1.500 m acima do nível do mar), cresceu depois da brilhante atuação de Cielo nos 100 m livre – ganhou o ouro, com o bom tempo de 47s84, o segundo do mundo este ano, recorde pan-americano, na altitude.
“É uma prova em que ele vai muito bem”, disse Albertinho, referindo-se aos 50 m livre. “O Cielo está em melhor forma física do que no Mundial e foi bem nos 100 m em altitude. A expectativa, de fato, é pelo ouro, com recorde pan-americano e o melhor tempo do ano.” O técnico frisou apenas que é uma prova de muitos detalhes. “Se tudo der certo, se ele confirmar que está em uma boa semana, vai sair uma marca muito boa. Ele tem capacidade para isso”, completou Albertinho.
O brasileiro Bruno Fratus entra na disputa com o segundo tempo entre os inscritos: 21s76. George Bovell, de Trinidad e Tobago, medalhista olímpico e pan-americano, tem o terceiro melhor tempo da prova, com 22s02.
Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Correios, Arena e Gatorade.