Cesar Cielo é bicampeão Mundial nos 50 m livre em Xangai

O brasileiro mostrou que é o mais rápido do mundo nas piscinas levando o título com muita superioridade pela segunda vez consecutiva na competição
São Paulo – Cesar Cielo é o nadador mais rápido do mundo. O brasileiro levou o bicampeonato dos 50 metros livre, neste sábado (30/7), no Mundial de Desportos Aquáticos de Xangai, China, na piscina do Centro Oriental de Esportes. Em Roma/2009 ganhou a prova pela primeira vez em um Mundial. Também é o campeão olímpico, em Pequim/2008, e o recordista mundial dos 50 m livre (20s91, obtidos em 2009). Cielo nadou a prova em Xangai em 21s52, mostrando grande superioridade em relação aos adversários. O italiano Luca Dotto ficou com a medalha de prata, com 21s90, e o francês Alain Bernard, com a de bronze, em 21s92. Cielo tem agora os dois melhores tempos do mundo no ano na prova, com os 21s52 deste sábado e os 21s26, que havia obtido em junho, no Paris Open. Cielo ganhou seu segundo ouro em Xangai e a nona medalha em Mundiais. Ao conquistar o bicampeonato nos 50 m livre, igualou o feito do americano Tom Jagger (Madri/1986 e Perth/1991) e do russo Alexander Popov (Roma/1994 e Barcelona/2003) e passa a ser o primeiro a ter o título olímpico e de dois mundiais em piscina longa seguidos. Cesar Cielo nadou na raia 5, teve um excelente tempo de reação (0s63) e liderou a prova desde o início, com grande superioridade. Numa prova em que todos nadam muito próximos, foi visível sua vantagem em relação aos adversários – Cielo chegou 0s38 antes de Luca Dotto e a 0s40 de Alain Bernard. Nathan Adrian, EUA, ficou em 4º (21s93), o brasileiro Bruno Fratus em 5º (21s96) – na semifinal, com bermuda emprestada de Cielo porque a dele rasgou, fez a melhor marca – , seguidos pelo húngaro Krisztian Takacz (21s99), o nadador de Trinidad e Tobago George Bovell (22s04) e o sul-africano Gideon Louw (22s11). “Sou campeão olímpico e o atual campeão mundial, por isso fiquei extremamente feliz com o resultado. As duas medalhas de ouro e o quarto lugar <i>(nos 100 m livre, com 48s01)</i> são resultados melhores do que os que eu imaginava há duas semanas. Sinto-me mais forte agora”, frisou Cielo. Na piscina, sua comemoração foi contida – trocou um abraço com Bruno Fratus. Mas o brasileiro voltou a se emocionar no pódio, na cerimônia de premiação, ao ouvir o Hino Nacional e ver a bandeira brasileira ser hasteada, e fez força para conter o choro. Sorriu e, a pedidos dos fotógrafos, puxou os olhos com os dedos, imitando chinês – na China, em Pequim/2008, ganhou a primeira medalha de ouro olímpica para o Brasil na natação, nos mesmos 50 m livre. “Os 50m livre eu nado dormindo, se precisar”, brincou, explicando que tem confiança de olhar para o fundo, saber a metragem em que está e se vai aguentar passar sem respirar ou não. “Então, é uma prova bem mais tranquila, um cenário bem mais relaxado. Mesmo assim, a adrenalina da final pega bem forte”, disse, ao comparar com a decisão dos 50 m borboleta, em que teve uma comemoração explosiva. “A prova de 50m borboleta é mais tensa, não tenho experiência nela, nunca tinha nadado em campeonato internacional”, observou. “É a primeira vez que eu olho pra trás e tenho realmente orgulho do que eu consegui superar. É claro que tive orgulho da medalha olímpica e de outros mundiais, mas este foi um desafio muito grande. Me sinto um cara muito mais preparado, muito mais confiante, porque não foi fácil ficar atrás da baliza esta semana. Espero que este seja um grande momento para todo mundo e para a natação também. Sair daqui com quatro medalhas de ouro, junto com a da Ana Marcela e do Felipe França, é uma campanha melhor que a de Roma. Pessoalmente, eu queria muito vir para cá, disputando as três medalhas. Consegui duas de ouro e elas estão com um peso maior que todas as outras da minha coleção”, afirmou. Cesar Cielo, de 24 anos, que é atleta do Flamengo e treina com o Projeto Rumo ao Ouro em 2016, o P.R.O. 16, coordenado pelo técnico Alberto Silva, tem agora nove medalhas ganhas em Mundiais. Chegou a Xangai com sete medalhas no currículo. No Mundial de Dubai/2010, em piscina curta (25 metros), Cielo levou ouro nos 50 m e nos 100 m livre e bronze nos revezamentos 4×100 m livre e 4×100 m medley. Em Roma/2009, em piscina olímpica, ganhou ouro nos 50 m livre e nos 100 m livre (com recorde mundial). Ainda tinha uma medalha de prata ganha com o revezamento brasileiro 4×100 m livre, no Mundial de Indianápolis/2004, o seu primeiro. Agora, em Xangai/2011, levou o ouro inédito nos 50 m borboleta e o bicampeonato nos 50 m livre. Tem dois dos quatro ouros conquistados pelo Brasil na competição (os outros foram com Felipe França, nos 50 m peito, e Ana Marcela, nos 25 km em águas abertas). O brasileiro fechará sua participação no Mundial integrando o revezamento 4×100 m medley do Brasil, que terá classificação na noite de sábado (30/7), a partir das 22 horas (horário de Brasília). Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Arena e Gatorade.

Cesar Cielo está na decisão de medalhas dos 50 m livre no Mundial de Xangai

O brasileiro, que é campeão mundial e olímpico da distância, fez a segunda melhor marca das semifinais – 21s79 – e se classificou para a final
São Paulo – O velocista Cesar Cielo está na final dos 50 m livre do Mundial de Desportos Aquáticos de Xangai, China. A decisão de medalhas na prova mais rápida da natação será neste sábado, a partir das 7 horas, pelo horário de Brasília, na piscina do Centro Oriental de Esportes. Nas semifinais, nesta sexta-feira (29/7), Cielo fez o segundo melhor tempo, com 21s79, em dobradinha com o brasileiro Bruno Fratus, seu companheiro de seleção, que foi o primeiro, com 21s76. Cielo é campeão olímpico e mundial dos 50 m livre, assim como o recordista mundial (20s91). Na temporada, tem o melhor tempo do mundo no ranking, com 21s66, feito no Open de Paris, em junho. Na primeira série das semifinais a liderança foi do norte-americano Nathan Adrian, com 21s94, seguido pelo italiano Luca Dotto (21s97) e o francês Alain Bernard (22s07). Cielo – que foi o mais rápido das eliminatórias (22s03), empatado com Nathan Adrian e George Bovell, nadou na raia 4, na segunda série dos 50 m livre. Bruno Fratus, que havia sido o 13º colocado nas eliminatórias, nadou na mesma série, mas na raia 1. Cielo cumprimentou e abraçou Bruno, ainda na piscina, comemorando a classificação de dois brasileiros para a final. Pouco antes da largada, a bermuda de Fratus rasgou e ele nadou com outra emprestada por Cielo. Os oito melhores das duas séries, que vão decidir as medalhas são: Bruno Fratus (21s76) e Cesar Cielo (21s79), do Brasil, Nathan Adrian (21s94), Estados Unidos, Lica Dotto (21s97), Itália, Krisztian Takacs (21s97), Hungria, Gideon Low (22s02), África do Sul, George Bovel (22s02), Trinidad e Tobago e Alain Bernard (22s07), França. Cesar Cielo já tem uma medalha de ouro neste Mundial, ganha nos 50 m borboleta no início do programa de competições em Xangai. O brasileiro também vai integrar o revezamento 4x100m medley do Brasil, que terá classificação na noite de sábado (30/7), a partir das 22 horas (horário de Brasília). Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Arena e Gatorade.

Cesar Cielo está na decisão de medalhas dos 50 m livre no Mundial de Xangai

O brasileiro, que é campeão mundial e olímpico da distância, fez a segunda melhor marca das semifinais – 21s79 – e se classificou para a final
São Paulo – O velocista Cesar Cielo está na final dos 50 m livre do Mundial de Desportos Aquáticos de Xangai, China. A decisão de medalhas na prova mais rápida da natação será neste sábado, a partir das 7 horas, pelo horário de Brasília, na piscina do Centro Oriental de Esportes. Nas semifinais, nesta sexta-feira (29/7), Cielo fez o segundo melhor tempo, com 21s79, em dobradinha com o brasileiro Bruno Fratus, seu companheiro de seleção, que foi o primeiro, com 21s76. Cielo é campeão olímpico e mundial dos 50 m livre, assim como o recordista mundial (20s91). Na temporada, tem o melhor tempo do mundo no ranking, com 21s66, feito no Open de Paris, em junho. Na primeira série das semifinais a liderança foi do norte-americano Nathan Adrian, com 21s94, seguido pelo italiano Luca Dotto (21s97) e o francês Alain Bernard (22s07). Cielo – que foi o mais rápido das eliminatórias (22s03), empatado com Nathan Adrian e George Bovell, nadou na raia 4, na segunda série dos 50 m livre. Bruno Fratus, que havia sido o 13º colocado nas eliminatórias, nadou na mesma série, mas na raia 1. Cielo cumprimentou e abraçou Bruno, ainda na piscina, comemorando a classificação de dois brasileiros para a final. Pouco antes da largada, a bermuda de Fratus rasgou e ele nadou com outra emprestada por Cielo. Os oito melhores das duas séries, que vão decidir as medalhas são: Bruno Fratus (21s76) e Cesar Cielo (21s79), do Brasil, Nathan Adrian (21s94), Estados Unidos, Lica Dotto (21s97), Itália, Krisztian Takacs (21s97), Hungria, Gideon Low (22s02), África do Sul, George Bovel (22s02), Trinidad e Tobago e Alain Bernard (22s07), França. Cesar Cielo já tem uma medalha de ouro neste Mundial, ganha nos 50 m borboleta no início do programa de competições em Xangai. O brasileiro também vai integrar o revezamento 4x100m medley do Brasil, que terá classificação na noite de sábado (30/7), a partir das 22 horas (horário de Brasília). Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Arena e Gatorade.

CAS divulga comunicado e encerra caso de Cesar Cielo

Comunicado diz que os nadadores não tiveram objetivo de ´melhorar o desempenho ou mascarar o uso de alguma outra substância capaz de melhorar o desempenho´
São Paulo – A Corte Arbitral de Esportes (CAS) divulgou nesta sexta-feira (29/7) o comunicado em que explica as razões pelas quais decidiu manter a advertência dada pelo Painel de Controle de Doping da CBDA a Cesar Cielo, Nicholas dos Santos e Henrique Barbosa e punir, com um ano de suspensão, o nadador Vinícius Waked. O comunicado encerra o caso de doping iniciado por resultado positivo para furosemida em exame antidoping realizado no Troféu Maria Lenk, em maio. A CAS divulgou que os nadadores comprovaram que não usaram meios ilícitos. A CAS diz que os atletas não objetivaram melhora de desempenho esportivo e nem mascarar nenhuma outra substância capaz disso. Na integra, o que diz o comunicado: Caso de Cielo, Dos Santos, Barbosa e Waked: a Corte Arbitral de Esportes (CAS) comunica as razões de sua decisão Lausanne, 29 de julho de 2011 – Após o anúncio das decisões da CAS de 21 de julho de 2011, referentes ao caso FINA v Cesar Cielo, Nicholas dos Santos, Henrique Barbosa e Vinicius Waked e Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), o Painel de árbitros da CAS responsável por este julgamento proferiu hoje seu laudo arbitral final juntamente com sua fundamentação. O referido Painel de árbitros, composto por Alan Sullivan QC (Austrália) Presidente, Olivier Carrard (Suíça) e Jeffrey Benz (EUA) decidiram aplicar o Artigo 10.4 das Regras de Controle de Doping da FINA, cuja redação é idêntica ao Artigo 10.4 do Código Mundial Antidoping (World Anti-Doping Code – WADC), a cada um dos quatro atletas brasileiros. O artigo em questão diz o seguinte: “Quando um Competidor ou outra Pessoa pode determinar como a Substância Específica ingressou em seu corpo ou chegou a sua Posse e que tal Substância Específica não objetivou melhorar o desempenho esportivo do Competidor ou mascarar o Uso de uma substância que melhore o desempenho esportivo, o período de Ineligibilidade que consta do Artigo 10.2 [aplicável no caso de substâncias proibidas] deverá ser substituído pelo seguinte: Primeira violação: Como mínimo, uma advertência e nenhum período de Ineligibilidade para futuras competições e, como máximo, dois anos de Ineligibilidade […] O grau de culpa do Competidor ou da Pessoa será o critério utilizado para determinar qualquer redução do período de Inegibilidade”. [De acordo com o Artigo 10.7 das Regras de Controle de Doping da FINA, a sanção mínima para casos de reincidência  na violação de regras antidoping por uso de Substância Específica será de um ano de Ineligibilidade]. Contrariamente à situação que existia antes da implementação das Regras de Controle de Doping da FINA/WADC Edição 2009, a furosemida e outros diuréticos agora podem ser considerados como “substâncias específicas” nos termos do Artigo 10.4 supracitado. No presente caso, o Painel da CAS was satisfied se convenceu do que segue: • As pílulas de cafeína eram prescritas pelo médico de Cesar Cielo desde o final de 2009; • As pílulas de cafeína foram produzidas pela mesma farmácia desde aquela época; • A cafeína usada no preparo das pílulas era pura e não fora misturada com outras substâncias; • A substância furosemida detectada nas pílulas de cafeína restantes encontradas no frasco de pílulas dos atletas, por um laboratório do Rio de Janeiro (LABDOP) credenciado pela Agência Mundial Antidoping (WADA); • A farmácia que preparou as pílulas de cafeína admitiu que no mesmo dia, ela também preparou para outros clientes, diversas receitas médicas para o tratamento de doenças cardíacas e que continham furosemida; • A concentração de urina dos atletas era normal e não estava diluída, o que significa que a furosemida não pode ter sido utilizada como um agente mascarante neste caso. Os fundamentos mencionados acima não foram questionados pela FINA, o que certifica que a furosemida não teve por objetivo melhorar o desempenho dos Atletas ou mascarar o uso de alguma outra substância capaz de melhorar o desempenho e, além disso, aceitou a aplicação do Artigo 10.4 das Regras de Controle de Doping da FINA. Entretanto, a FINA argumentou que o erro cometido pelos Atletas já era sério o suficiente para justificar a imposição de uma suspensão de três meses nos casos de Cielo, Barbosa e dos Santos e de um ano no caso de Waked. O Painel da CAS reconheceu que o uso de suplementos alimentares pelos atletas foi arriscado, mas no presente caso os atletas tomaram precauções suficientes para reduzir sua culpa ou negligência ao mínimo possível. Neste sentido, o Painel de árbitros da CAS decidiu aplicar as sanções mínimas previstas nas Regras de Controle de Doping da FINA. A versão final do laudo arbitral, com sua respectiva fundamentação, está publicado no website do TAS (www.tas-cas.org), apenas no idioma inglês.

Cesar Cielo obtém melhor tempo e vai às semifinais dos 50 m livre no Mundial

O velocista brasileiro fechou a série 14 em 22s03 e ficou entre os 16 nadadores que decidem mais uma etapa da prova na manhã desta sexta-feira no Brasil
  São Paulo – O velocista Cesar Cielo está nas semifinais dos 50 m livre do Mundial de Desportos Aquáticos de Xangai, China – a etapa, na piscina do Centro Oriental de Esportes, será a partir das 7 horas desta sexta-feira (29/7), pelo horário de Brasília. Nas eliminatórias, nesta sexta-feira (28/7), Cielo foi o primeiro na classificação geral, empatado com Nathan Adrian e George Bovell, todos com o tempo de 22s03. O brasileiro é o atual campeão olímpico e mundial da prova, bem como o recordista mundial (20s91). Dono do melhor tempo do mundo no ano nos 50 m livre (21s66) Cesar Cielo nadou a 14ª das 16 séries que reuniram 120 nadadores em Xangai. Cielo nadou na raia 4 e foi o primeiro. Na série seguinte, a 15ª, Nathan Adrian, dos Estados Unidos, e George Bovell, de Trinidad e Tobago, também fizem o mesmo tempo – 22s03. A quarta melhor marca na classificação geral foi do inglês Adam Brown, que nadou na 16ª e última série, com 22s08. Cesar Cielo, que já ganhou a medalha de ouro nos 50 m borboleta no primeiro dia de competições em Xangai, também vai integrar o revezamento 4x100m medley do Brasil, que terá classificação na noite de sábado (30/7), sempre pelo horário de Brasília. Nos 50 m livre, Cielo tem o melhor tempo do mundo no ranking este ano, com 21s66, feito no Open de Paris, em junho. Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Arena e Gatorade.

Cesar Cielo fica fora do pódio dos 100 m livre por pouco, agora o foco é nos 50 m

O velocista brasileiro nadou a distância em 48s01, sua melhor marca da temporada, mas a 0s01 do terceiro colocado, no Mundial de Xangai
São Paulo – O velocista Cesar Cielo ficou a um centésimo da medalha de bronze dos 100 m livre, no Mundial de Desportos Aquáticos de Xangai, China, nesta quinta-feira (28/7), na piscina do Centro Oriental de Esportes. Cielo melhorou sua marca em relação às eliminatórias e semifinais e também em relação à temporada, com 48s01, mas isso não foi suficiente para ir ao pódio em Xangai nos 100 m livre. Ficou em quarto lugar. A medalha de ouro ficou com o australiano James Magnussen (47s63), seguido pelo canadense Brent Hayden (47s95) e o francês William Meynard (48s00). O próprio Cielo já havia apontado o favoritismo de Magnussen. Nas eliminatórias dos 100 m livre, Cielo fez 48s41 e nas semifinais 48s34, numa prova dificílima, em que 16 atletas nadaram abaixo de 49 segundos na primeira etapa e o australiano Magnussen para tempo inferior a 48 segundos na segunda fase da disputa. Na temporada, o brasileiro tinha 48s26. Na final, Cielo nadou na raia 2, teve um bom tempo de reação (0s66) e ainda foi o mais rápido nos primeiros 50 metros (22s63). Mas não conseguiu manter-se na frente na segunda metade da prova. Cesar Cielo foi campeão mundial em Roma/2009 e ainda segue dono do recorde mundial da distância (46s91). Cesar Cielo, que já ganhou a medalha de ouro nos 50 m borboleta no primeiro dia de competições em Xangai, agora volta toda a sua expectativa para os 50m livre – as eliminatórias serão na noite desta quinta-feira (28/7), a partir das 22 horas (horário de Brasília). Cielo também vai integrar o revezamento 4x100m medley do Brasil, que terá classificação na noite de sábado (30/7), sempre pelo horário de Brasília. Nos 50 m livre, Cielo tem o melhor tempo do mundo no ranking este ano, com 21s66, feito no Open de Paris, em junho. Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Arena e Gatorade.

Cesar Cielo está entre os oito finalistas dos 100 m livre em Xangai

O velocista brasileiro, que é campeão e recordista mundial da prova, obteve o quinto tempo das semifinais, com 48s34
São Paulo – O nadador Cesar Cielo, campeão e recordista mundial dos 100 m livre, se classificou para a final da prova no Mundial de Desportos Aquáticos de Xangai, China. A disputa de medalhas será nesta quinta-feira (28/7), a partir das 7 horas (horário de Brasília), na piscina do Centro Oriental de Esportes. Nas semifinais, nesta quarta-feira (27/7), Cielo fez o quinto tempo – 48s34 – na classificação geral. Foi o terceiro na primeira série, a mais forte (teve tempo de reação de 0s68 e fez 22s77 nos primeiros 50 metros). Cielo ainda melhorou a sua marca das eliminatórias, de 48s41, mas ainda não alcançou o seu melhor tempo do ano, de 48s26, obtido em junho, no Open de Paris. Está na decisão com James Magnussen, da Austrália, o mais rápido das semifinais com 47s90, Nathan Adrian, Estados Unidos (48s05), William Meynard, França (48s25), Brent Hayden, Canadá (48s30), Sebastiaan Verschuren, Holanda (48s41), Luca Dotto, Itália (48s44) e Fabien Gilot, França (48s46). “Segurei um piano nas costas. Não dá para dizer que o meu final de preparação foi o ideal nas últimas três semanas. Os caras estão voando”, observou Cielo, referindo-se à alta competitividade da prova em Xangai. Magnussen nadou os 100 m livre abaixo dos 48 segundos e, nas eliminatórias, os 16 classificados fizeram tempos inferiores a 49 segundos. Cesar Cielo, que já ganhou a medalha de ouro nos 50 m borboleta no primeiro dia de competições em Xangai, ainda vai nadar os 50m livre – as eliminatórias serão na noite desta quinta-feira (28/7), a partir das 22 horas (horário de Brasília). Cielo também vai integrar o revezamento 4x100m medley do Brasil, que terá classificação na noite de sábado (30/7), sempre pelo horário de Brasília. Nos 50 m livre, Cielo tem o melhor tempo do mundo no ranking este ano, com 21s66, feito no Open de Paris, em junho. Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Arena e Gatorade.

Cesar Cielo passa às semifinais dos 100 m livre no Mundial de Xangai

O velocista brasileiro obteve o quarto melhor tempo dentre os nadadores de 14 séries, com 48s41, e volta à piscina nesta quarta-feira (27/7), a partir das 7 horas (horário de Brasília)
  São Paulo – O velocista Cesar Cielo se classificou para as semifinais dos 100 metros livre, etapa do Mundial de Desportos Aquáticos de Xangai (CHI) que será disputada nesta quarta-feira (27/7), a partir das 7 horas (horário de Brasília), na piscina do Centro Oriental de Esportes. Cielo, campeão e recordista mundial dos 100 m livre, nadou a 12ª dentre 14 séries. Estava na raia 4 (teve o tempo de reação de 0s64 e fez a passagem dos primeiros 50 m em 23s06), para terminar a série em segundo, com 48s41, atrás do francês William Meynard (48s14). O australiano James Magnussen (48s21) foi o mais rápido da 13ª série e o italiano Filippo Magnini o primeiro da 14º e última série (48s36). Com isso, Cielo ficou em quarto na classificação geral, atrás de Meynard, Magnussen e Magnini. Todos os 16 classificados nadaram abaixo de 49 segundos, mostrando o quanto a prova está competitiva e forte neste Mundial. “A prova inteira foi muito forte. Acho que nunca aconteceu antes dos 16 terem nadado para 48 segundos. Agora é baixar uns dois, três décimos para garantir uma boa vaga na final”, afirmou Cielo. A melhor marca do nadador brasileiro nesta temporada para os 100 m livre foi obtida em junho, no Open de Paris, com 48s26. Cesar Cielo, que já ganhou a medalha de ouro nos 50 m borboleta no primeiro dia de competições em Xangai, ainda vai nadar os 50m livre – as eliminatórias serão na noite desta quinta-feira (28/7), a partir das 22 horas (horário de Brasília). Cielo também vai integrar o revezamento 4x100m medley do Brasil, que terá classificação na noite de sábado (30/7), sempre pelo horário de Brasília. Nos 50 m livre, Cielo tem o melhor tempo do mundo no ranking este ano, com 21s66, feito no Open de Paris, em junho. Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Arena e Gatorade.

Cesar Cielo ganha ouro inédito e se emociona em Xangai

O nadador brasileiro leva seu terceiro título e a sua oitava medalha em Mundiais, uma que ainda não tinha, nos 50 m borboleta
São Paulo – O nadador Cesar Cielo vibrou muito – gritou e chorou -, ainda na piscina do Centro Oriental de Esportes, em Xangai, assim que bateu em primeiro para ficar com a medalha de ouro nos 50 metros borboleta, nesta segunda-feira, segundo dia de competições no Mundial de Desportos Aquáticos, na China. Numa prova equilibrada, em que mediu forças com os australianos, Cielo levou o ouro com 23s10. Os dois nadadores da Austrália bateram em seguida. Matthew Targett levou a medalha de prata, com 23s28, e Geoff Huegill a de bronze, com 23s35. Na cerimônia de premiação, ocupando o lugar mais alto do pódio, Cielo fez o sinal da cruz, olhou os detalhes de sua medalha e mostrou grande emoção ao ouvir o Hino Nacional e ver a bandeira brasileira ser hasteada. Cielo disse que essa medalha teve “uma sensação diferente” e que era a hora de descontar tudo. “Foi a medalha mais dura da minha vida. Eu imaginei essa cena várias vezes, mas chega na hora você não sabe o que vai fazer. “Esse ouro, definitivamente, tem um gosto diferente dos outros. Foi, provavelmente, a medalha mais difícil que eu conquistei na minha vida. Eu sabia que ia competir contra os melhores do mundo e ser capaz de competir depois do que eu passei nesse mês é uma benção. Com o que aconteceu foi uma hora para testar o quanto eu podia aguentar e seria capaz de me levantar de novo. Eu estou realmente orgulhoso de mim por ter feito isso.” Cesar Cielo nadou na raia 4, ao lado do australiano Geoff Huegill, na 5, e do francês Florent Manaudou, na 3. O brasileiro vinha credenciado pelo melhor tempo do mundo, no ano (22s98), feito no Paris Open, em junho, das eliminatórias (23s26) e das semifinais (23s19), em Xangai, feitos no domingo. Cielo fez o seu ritual, com sinal da cruz, dedo para o alto apontando o céu, tapas no corpo e ainda enxugou o bloco de partida. Teve 0s66 como tempo de reação na largada, nadou na frente desde o início, mesmo sem abrir grande vantagem, e até o fim, sem sofrer ameaças dos adversários. Cesar Cielo, de 24 anos, tinha sete medalhas ganhas em campeonatos mundias de natação, todas elas no estilo livre. No Mundial de Dubai/2010, em piscina curta (25 metros), Cielo levou ouro nos 50 m e nos 100 m livre e bronze nos revezamentos 4×100 m livre e 4×100 m medley. Em Roma/2009, em piscina longa, ganhou ouro nos 50 m livre e nos 100 m livre (com recorde mundial). Ainda tinhauma medalha de prata ganha com o revezamento brasileiro 4×100 m livre, no Mundial de Indianápolis, o seu primeiro, em Indianápolis/2004. Força mental e fé Em entrevista para jornalistas brasileiros e estrangeiros, Cielo falou da medalha de ouro e de sua capacidade de superação. “Nem sei de onde vem essa força mental, mas eu estou aqui de pé, estou aqui lutando. Coloquei na minha cabeça que nada ia deixar me abalar. Me abalou um pouquinho, mas eu estou aqui de pé e estou devolvendo a pancada que eu tomei. Um dia de cada vez e superação acima de tudo. Vou lutar com todas as minhas forças até o fim da competição”, garantiu. “Foi um momento de muita oração e de me apegar muito na fé e na minha família e meus amigos que deram força para eu me segurar em pé. Foi um teste não só pra mim, mas para todo mundo que estava comigo para conseguir superar tudo isso, vir aqui e conseguir competir em alto nível é uma satisfação muito grande. Foi um momento em que a natação virou um grupo. Eu precisava mesmo dos meus amigos e família e todo mundo teve uma parcela muito importante para eu conseguir ter o resultado de hoje.” Sobre a emoção – o choro – após a vitória. “Eu imaginei essa cena várias vezes. Mas na hora não dá para saber o que você vai fazer. Senti que foi um alívio muito grande. Foi muito bom ter ganho a prova e deixar toda essa coisa que estava presa sair. Essa prova, depois de tudo isso que aconteceu, foi sem dúvida a mais difícil, era o momento de descontar tudo mesmo. Agora vou olhar para frente, para as outras provas.” Cesar Cielo ainda vai nadar os 100m livre, em programa de provas que começa às 22 horas desta terça-feira (26/7); os 50m livre na noite desta quinta-feira (28/7); e o revezamento 4x100m medley, na noite de sábado (30/7), sempre pelo horário de Brasília. “Em nenhum momento eu deixei de acreditar que fosse nadar nesse mundial. Não parei de nadar, não parei de me alimentar direito. Um dia de cada vez. Consegui tirar o peso maior, que era quebrar esse gelo. Vim para cá para ser campeão mundial, consegui. Agora é focar nas próximas provas, sem pressão.” Com o amigo Targett Cielo disse que conhece o australiano Targett, com quem dividiu o pódio, desde 2005, quando foi estudar em Auburn, no Alabama, EUA. “Ele é um dos meus melhores amigos. A gente criou uma proximidade muito grande pela situação de ser estrangeiro nadando a liga universitária. Até quando o repórter pegou meio pesado (referindo-se a uma pergunta de um francês, na coletiva), ele tentou me defender. Ter o cara do meu lado do pódio foi muito agradável e até mesmo meio predestinado. Eu não imaginava ninguém fazendo o que ele fez aqui na conferência. Fiquei muito contente por ele também, sair na raia 1 e ter conquistado a prata. É bom saber que meus amigos estão fazendo sucesso.” O técnico Alberto Silva, que orienta Cielo no Projeto Rumo ao Ouro em 2016 (P.R.O. 16), a ordem das provas foi muito favorável. “Ter essa primeira prova que não é a sua principal para poder desabafar. Conseguir suportar tudo isso foi mérito dele. Eu não atrapalhei. A força que ele tem me surpreendeu. Eu me surpreendi com a força desse garoto de se manter treinando e puxando todo mundo. Achei que pude ajudar a chegar até aqui. Importante é ver que ele está feliz. Não é ´corujice´, mas acho que o Cesar tem tudo para ser o maior velocista da história da natação. Está trilhando um caminho pra isso”, disse Albertinho. Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Arena e Gatorade.

Cesar Cielo vai brigar por medalha para o Brasil nos 50 m borboleta

O campeão mundial e olímpico disse que está em Xangai ´para nadar rápido´ ao voltar a fazer o melhor tempo da prova nas semifinais deste domingo
São Paulo – Cesar Cielo avançou para a decisão dos 50 m borboleta no Mundial de Desportos Aquáticos, ao cravar o melhor tempo das semifinais da prova, neste domingo (24/7), no Centro Oriental de Esportes, em Xangai, China. Cielo fez o tempo de 23s19 e se classificou para a decisão de medalhas na distância. A final dos 50 m borboleta será disputada nesta segunda-feira, às 7 horas (horário de Brasília). Nas eliminatórias, Cielo já havia obtido a melhor marca, com 23s26. O velocista brasileiro, campeão olímpico e mundial, lidera o ranking mundial dos 50 m borboleta em 2011 até agora, com o tempo de 22s98, feito no Open de Paris, em junho. Cielo nadou na segunda série, na raia 4, e se classificou para a final à frente do australiano Geoff Huegill (23s26), do francês Florent Manaudou (23s20, segundo e terceiro colocados nas semifinais). Outro francês que sempre o brasileiro encontra nas decisões das provas de velocidade, Fred Bousquet, obteve a última vaga para a final, com o oitavo tempo (23s42). Outros que estarão na decisão: Jason Dunford, do Quênia (23s34), Steffen Deibler, da Alemanha (23s39), Andriy Govorov, da Ucrânia (23s39) e Matthew Targettt, da Austrália (23s41). Alguns atletas importantes como o campeão da prova no Mundial de Roma/2009, o sérvio Milorad Cavic, e o sul-africano Roland Shoeman ficaram fora da final. Cavic obteve o 12º tempo das semifinais (23s59) e Shoeman o 9º (23s48). “Foi uma prova bem balanceada. Tem umas coisas para melhorar para amanhã. Acho que os meus primeiros  25 metros foram bem ruinzinhos nas semifinais. Na final, tenho de conseguir mais ou menos o mesmo tempo que fiz em Paris, os 22s alto (22s98) para brigar por uma medalha”, afirmou. Cielo não fixou tempo. “Eu quero é nadar bem, tocar na borda, ter a certeza de que eu fiz uma boa prova e aí sim olhar o tempo. Quero fazer uma prova mais técnica, mais certa mesmo e deixar o tempo acontecer. Hoje, não é que eu errei, mas não gostei da minha saída.” Descartou o favoritismo absoluto na prova. “Está todo mundo muito perto, do primeiro ao oitavo, não tem favorito absoluto. Cinquenta não tem favorito. Quem acertar tudo vai levar.” Cielo, que não nadou o revezamento 4×100 m livre – não foi escalado pelos técnicos para priorizar a briga por medalha nos 50 m borboleta – disse que o importante “foi o Brasil ter se classificado para a Olimpíada” com a nona posição obtida. E ainda observou que “é um revezamento muito novo e que, em um ano, poderá brigar por medalha”. Cielo acha que dificilmente o Brasil teria chances de medalha em Xangai com o revezamento. Após as eliminatórias e sua estreia na competição, pela manhã, Cielo disse que não conseguiu imaginar sua vida sem a natação e sem os companheiros da seleção quando teve de passar pela CAS para justificar resultado positivo em exame antidoping. Observou que está liberando a energia guardada durante muito tempo. Se disse orgulhoso e de cabeça erguida por estar em Xangai. “Estou feliz por estar aqui, por sentir essa adrenalina outra vez. Tentei imaginar minha vida sem isso e abriu um buraco enorme no meu peito. Dar mais valor ao que eu tenho na vida foi a grande lição que Deus me deu. As medalhas são sem dúvida grandes conquistas, mas quando eu estiver com 40, 50 anos quero lembrar essa família que eu tenho e dos bons momentos que vão ficar guardados. O que tenho na piscina é ´impagável´. Fisicamente estou muito bem, mentalmente ainda não estou 100%”, disse.”Mas estou voltando a ficar perigoso”, brincou. Cielo afirmou que “nadar rápido” é a forma que tem para retribuir estar disputando o Mundial. “Não sei se vou ganhar, mas estou feliz de estar aqui e isso é o que importa. Mudou muito a minha percepção do que é realmente importante na vida. Para a molecada que está começando eu diria para ter muita persistência e que agüente firme. Nesse mês eu vi que agüento muita coisa e estou me sentindo uma pessoa que está com o pé muito firme no chão”, ressaltou, na zona mista, em Xangai. Cesar Cielo, nadador do Flamengo e do Projeto Rumo ao Ouro em 2016, o P.R.O. 16,  ainda competirá nos 50 m e nos 100 m livre em Xangai, provas em que é o atual campeão mundial. Cielo, que também é o recordista mundial das duas distâncias, fará as eliminatórias dos 100 m livre na terça-feira e a dos 50 m livre na quinta-feira. O técnico Alberto Silva, que orienta Cielo no P.R.O. 16 e na seleção brasileira de natação, disse que confia “na força mental” do velocista, apesar de a audiência da CAS ter ocorrido em pleno período de polimento. “Ele cumpriu bem os treinos e vem demonstrando estar bem aqui em Xangai.” Cesar Cielo é atleta do Flamengo e tem patrocínio de Avanço, Embratel, Arena e Gatorade.