Que ano incrível, Cesar Cielo!

O campeão olímpico e mundial fecha a melhor temporada de sua vida com o recorde mundial dos 50 m livre e o Prêmio Brasil Olímpico de Melhor Atleta do Ano
São Paulo – Cesar Cielo fecha a temporada de 2009 como o primeiro nadador da história a ser campeão mundial e recordista mundial dos 50 m livre e dos 100 m livre no mesmo ano. A marca dos 100 m, 46s91, foi batida no Mundial de Roma, em agosto. A dos 50 m livre, 20s91, no Open de Natação, no dia 18 de dezembro, na piscina do Esporte Clube Pinheiros, em São Paulo. Cielo fechou o ano como o melhor atleta do País com o Prêmio Brasil Olímpico, que recebeu na festa do COB, na segunda-feira (21/12), no Maracanãzinho, Rio de Janeiro. Só em dezembro, foram mais seis medalhas de ouro para a coleção do recordista. As conquistas tiveram início no dia 16, no Campeonato Brasileiro Sênior de Natação, no Pinheiros. Cielo marcou 47s13 nos 100 m livre, a quinta melhor marca da história para a distância e recorde do campeonato. Na tarde do dia 17, ainda pelo Sênior, conquistou o ouro nos 50 m livre, com 21s02, até então, a segunda melhor marca de todos os tempos, além de recorde brasileiro e sul-americano. A façanha, porém, não tardaria a ser superada pelo próprio Cielo: na manhã do dia 18, agora na disputa do Open de Natação, tornou-se o nadador mais veloz da história ao quebrar o recorde mundial da distância, com 20s91. Pouco depois, voltou à piscina e ajudou a equipe do Pinheiros (com André Daudt, Fernando Silva e Gabriel Mangabeira) a conquistar o ouro no Open no revezamento 4 x 100 m livre, com o tempo de 3min16s30, recorde do campeonato. Cielo abriu a prova, com o tempo de 47s29. No dia seguinte, mais medalhas de ouro. A primeira veio no revezamento 4 x 50 m livre, ao lado de Nicholas dos Santos, Bruno Fratus e Nicolas Oliveira. O tempo, 1min26s12, é o novo recorde sul-americano da prova. Cielo ainda voltou à piscina para integrar a equipe de 4 x 100 m medley do Pinheiros. Fechou o revezamento, que teve Guilherme Guido, Henrique Barbosa e Tales Cerdeira. O grupo fez 3min37s57 e bateu o recorde de campeonato, de 3min42s47, do próprio Pinheiros em 2007. Prêmio Brasil Olímpico Cielo, que também é dono de duas medalhas olímpicas (ouro nos 50 m e bronze nos 100 m), bateu um recorde em casa, aumentando ainda mais a repercussão de suas façanhas, reconhecidas pelo público. Cielo obteve 77% dos votos dos internautas na disputa com os outros dois indicados ao prêmio de melhor do ano, o ginasta Diego Hypólito e o velejador Torben Grael. “Quero agradecer à minha mãe e irmã, que estão aqui comigo, ao meu pai, que ficou em Santa Bárbara, aos meus técnicos, Brett Hawke e Alberto Silva, meus patrocinadores e ao pessoal que votou em mim”, disse Cielo, ao receber o prêmio. Afirmou que quer continuar obtendo resultado até 2012 e pediu o apoio do público para o próximo ciclo olímpico. “Quero buscar tempos cada vez mais rápidos, olhar para trás e ver que estou satisfeito com minha carreira.” Cielo fechou o ano com vários prêmios: Atleta do Ano e nadador do ano do Prêmio Brasil Olímpico; um dos cinco Brasileiros do Ano, pela revista Isto É; Melhor do Ano, na pesquisa do jornal O Estado de S. Paulo; personagem do ano da Associação Industrial de Santa Bárbara D´Oeste; Paulistano do Ano, pela Veja São Paulo; 100 Brasileiros Mais Influentes, Ídolos e Heróis, pela revista Época; apontado como atleta da década pelo cronista esportivo Juca Kfouri. O reconhecimento veio por seus resultados nas piscinas. “Foram pouquíssimas as vezes em que me senti bem durante a temporada olímpica, em 2008. Foi pressão demais. Graças a Deus, terminou com as medalhas olímpicas que eu tanto queria. Mas neste ano foi tudo muito diferente. Tudo deu certo. Às vezes, eu pensava que não era possível estar tudo funcionando tão bem. E ainda terminou com a surpresa do recorde dos 50 m no Open, melhor do que poderia imaginar”, afirmou Cielo. Cielo também acha que foi uma temporada especial da natação como um todo. “Um ano bom demais para a natação brasileira. Hoje temos uma equipe na piscina. É diferente chegar num Mundial com um time de 20 atletas, com nadadores indo para as finais, dois até em algumas delas. A gente impõe mais respeito. Sinto que é uma equipe muito boa, jovem, ganhando cada vez mais experiência.” Agora, o nadador sai de férias com a família e só voltará às piscinas em janeiro, quando deve seguir para Auburn, nos Estados Unidos. O seu maior objetivo em 2010, quando passa a vigorar a proibição do uso dos maiôs tecnológicos, será nadar bem no Pan-Pacífico, de 18 a 22 de agosto, em Irvine, Estados Unidos. Cesar Cielo é atleta do EC Pinheiros e tem os patrocínios da Arena, Correios e TNT.

Cesar Cielo soma mais um recorde sul-americano a ano vencedor

Depois dos títulos e dos recordes mundiais dos 50 m livre e 100 m livre, nadador ajuda o Pinheiros a obter a nova marca do revezamento 4 x 50 m livre
São Paulo – Cesar Cielo obteve neste sábado (19/12), no Campeonato Brasileiro Sênior de Natação, mais um ouro com recorde na melhor temporada de sua vida. No revezamento 4 x 50 m livre, ao lado de Nicholas dos Santos, Bruno Fratus e Nicolas Oliveira, bateu o recorde sul-americano da prova, com 1min26s12 – a marca anterior era de 1min26s42 – e conquistou mais uma medalha de ouro para o Esporte Clube Pinheiros, em São Paulo. Cielo termina 2009 como o primeiro nadador da história a ser campeão mundial e recordista mundial dos 50 m livre e dos 100 m livre no mesmo ano. A marca dos 100 m, 46s91, foi batida no Mundial de Roma. A dos 50 m livre, 20s91, no Open de Natação, nesta sexta-feira (18/12), também na piscina do Pinheiros. “Agora é oficial: estou de férias”, brincou o recordista, ao sair da piscina. “Quero descansar bastante. Só nado de novo em janeiro. E, quando voltar, já nos Estados Unidos, com o Brett, sei que vão ser quatro, cinco meses de trabalho muito duro”, declarou. O australiano Brett Hawke é o técnico que orienta Cielo na Universidade de Auburn, no Alabama (EUA). “O Brett fixou uma moldura muito boa para o nosso trabalho e os dois últimos anos foram excelentes. Devemos mudar alguma coisinha em 2010 para que eu continue a evoluir.” Para Alberto Silva, o Albertinho, técnico da seleção brasileira que trabalhou com Cielo no Brasil neste semestre até a obtenção do recorde mundial dos 50 m, é preciso fixar metas para 2010 “ano sem Olimpíada nem Mundial”.  “Nosso objetivo, tanto para o Cielo quanto para a seleção, é nadar bem como em 2009, continuar a crescer.” Na prova deste sábado, Cielo não usou o X-Glide, da Arena – a partir de 2010, os maiôs tecnológicos não serão mais permitidos pela Federação Internacional de Natação (Fina). “Temos de começar a pôr na cabeça que no ano que vem vai mudar”, disse Cielo, acrescentando que é preciso esperar até o próximo ano para estabelecer parâmetros para medir como os tempos dos recordes vão evoluir. “Tudo vai depender dos resultados de 2010.” Cielo acha que é cedo para começar a fala em igualar – ou superar – marcas como a do recorde mundial dos 50 m livre (21s64) que o russo Alexander Popov estabeleceu em 2000, antes da chegada dos supermaiôs. “Agora não é hora. Vamos ter o ano que vem inteiro para isso. Não tenho a menor ideia de quando vou alcançar o Popov, mas acho que está mais perto do que se pensa.” Cielo acha que poderá chegar aos 21s50 e seus parâmetros são de 2007, quando tinha 22s30 para os 50 metros e 49s20 para os 100 m. Para Cielo, “2009 foi muito melhor do que esperava”. “Superei todas as expectativas, minhas e dos meus técnicos”, disse. “Não esperava nadar os 100 m livre em 47s13 aqui no Brasil,  mas me preparei para bater o recorde dos 50 m livre.” E para quem pensa que a motivação será menor em 2010, Cielo avisa: “Já pus na cabeça que vou treinar para o Pan- Pacífico como se fosse para um Mundial.”  O Pan-Pacífico, principal objetivo de Cielo na próxima temporada, será em Irvine, na Califórnia, de 18 a 22 de agosto. Pelo Pinheiros Mesmo anunciando as merecidas férias após a final do Troféu Open deste sábado, Cesar Cielo voltou à piscina, à tarde, para integrar a equipe de 4x100m medley do Pinheiros. Cielo fechou o revezamento que teve Guilherme Guido, Henrique Barbosa e Tales Cerdeira. O grupo fez 3min37s57 e bateu o recorde de campeonato, de 3min42s47, do próprio Pinheiros em 2007. O recorde sul-americano da prova é da seleção brasileira que competiu no Mundial de Roma, em julho (3min29s16). Cesar Cielo é atleta do EC Pinheiros e tem os patrocínios de Arena, Correios e TNT.

Cesar Cielo volta a fazer história com novo recorde mundial

Velocista quebra nesta sexta-feira a marca dos 50 m livre, com 20s91; o tempo anterior era de 20s94, do francês Fred Bousquet
São Paulo – Campeão olímpico e mundial dos 50 metros livre, Cesar Cielo é, desde esta sexta-feira, também o recordista mundial da distância. Depois de estabelecer, na véspera, a segunda melhor marca da história – 21s02 – no Campeonato Brasileiro Sênior, o velocista voltou à piscina para a disputa do Open de Natação, também no Esporte Clube Pinheiros e bateu o recorde mundial, com 20s91. A marca anterior, 20s94, pertencia ao francês Fred Bousquet desde abril deste ano. Agora, Cielo é detentor de dois recordes mundiais: o dos 50 m livre e o dos 100 m livre (46s91), conquistado no Mundial de Roma, em 2009, e termina o ano como o único nadador da história a ser campeão e recordista mundial das duas distâncias no mesmo ano.   A façanha de Cielo não deve ser superada tão cedo. A partir de 2010, o uso de maiôs tecnológicos ficará proibido pela Federação Internacional de Natação (Fina) e a nova marca mundial ainda foi obtida com o maiô X-Glide, da Arena. Na prova desta sexta-feira, Nicholas dos Santos ficou com a medalha de prata (21s80) e Bruno Fratus, com o bronze (21s81). Depois de festejar o recorde, Cielo voltou à piscina e ajudou a equipe do Pinheiros (com André Daudt, Fernando Silva e Gabriel Mangabeira) a conquistar o ouro no Open no revezamento 4 x 100 m livre, com o tempo de 3min16s30. Cielo abriu a prova, com o tempo de 47s29 “Esse recorde estava engasgado”, disse Cielo. “Eu estava batendo na trave toda hora. Queria o recorde dos 50 metros desde a Olimpíada de Pequim.” O velocista contou que acordou às 3h30 e não conseguiu mais dormir. “Às 5 horas, ainda estava na frente do computador. Tomei um energético, estava com medo de ficar sonolento. É difícil controlar a ansiedade.” Mesmo assim, o nadador diz que não se cobra em nenhum evento. “A pressão que me coloco é psicológica, em cima do meu objetivo. Aqui, o meu objetivo era o recorde. Quando consegui, foi um alívio. Comemoro como se fosse uma medalha olímpica.” Previsões Alberto Silva, o Albertinho, técnico de Cesar Cielo no Brasil, assistiu da arquibancada à quebra do recorde e vibrou no meio do público com o feito histórico. Emocionado, com os olhos marejados, só então tirou do bolso o papelzinho em que Cielo havia escrito, na véspera, o tempo que pretendia fazer nos 50 m: 20s86. “Estou muito emocionado. Ver um recorde mundial ser quebrado aqui dentro… Nunca imaginei que a gente fosse ver isso na vida”, disse o treinador. “Era para ter acontecido ontem, mas ele teve outra oportunidade.” Cielo chegou ao Pinheiros para treinar com Albertinho quando tinha apenas 15 anos. “O mais importante disso é que eu pude fazer parte do processo e a confiança que ele deposita no trabalho”, disse o treinador. “Ele ficou uma pessoa mais madura, um atleta mais consciente e são detalhes muito pequenos que separam a vitória da derrota.” Também na arquibancada, Flávia Cielo, mãe do recordista, ficou emocionada, mas não tinha dúvida de que o filho sairia da piscina como recordista mundial. “Eu mentalizo. Quando estava em Pequim, o vi no pódio. Tinha o lugar dele lá”, lembrou Flávia. “Hoje, eu vi 20s91 no placar. É a idade do meu sobrinho e o ano de nascimento da Fernanda, minha filha”, prosseguiu. “Não tem diferença nenhuma o recorde ser aqui ou fora, cada conquista dele é muito importante para nós.” Flávia contou que o filho estava “chato” ontem, porque não fez o recorde. “Eu disse: ‘Ah, menino. Você tem 22 anos. Vai descansar, não fica com essa cara de quem comeu e não gostou.’ Ele acordou zerado, mas às 3h30. E queria que eu acordasse também”, disse Flávia. Sorry, Fred Brett Hawke, o técnico australiano que orienta o treinamento do brasileiro na Universidade de Auburn, nos Estados Unidos, também estava na piscina do Pinheiros. Hawke, também treinador de Fred Bousquet, ex-recordista mundial dos 50 m, brincou: “Liguei para o Fred e disse: ‘Sinto muito (I´m sorry), você não é mais recordista mundial. Ele deve estar chorando agora’. Falando sério, os dois se respeitam muito.” Hawke contou que Cielo costuma nadar as provas de 50 m com maiô azul e as de 100 m com maiô cinza. “Hoje, ele quis trocar. Deu sorte.” A diferença entre a marca de ontem e o recorde mundial de hoje? “Ele sabia que podia conseguir. Ele tem sorte de ter dois bons treinadores”, finalizou Hawke. Cielo recebeu a medalha das mãos do medalhista olímpico Gustavo Borges, com quem chegou a treinar no Pinheiros. “Ontem (quinta) foi uma mistura de frustração por não ter conseguido o recorde com um gostinho de quero mais”, disse Gustavo. “A manhã não é o horário ideal para se buscar um recorde, garanto que ele nem dormiu. Mas o tempo mostra como será a sequência do ciclo olímpico, reafirma sua condição de melhor do mundo nos 50 e 100 m.” Patamar único Para Cielo, bater recorde mundial não depende de estar no Brasil ou no exterior. “Mas inconscientemente o fato de estar em casa, de a galera me cumprimentar, desejar boa sorte, ajuda. Me preparei para isso. Fui para o Canadá para carregar a tocha olímpica, tive de fazer uma semana de treinamento sozinho, nem sempre em horários adequados, mas me dediquei”, contou o recordista. “Ontem, já tinha cumprido o objetivo da temporada, que era nadar o meu melhor tempo nos 50 livre. Agora, com esse recorde, fecho uma temporada especial, a mais importante da minha vida. Uma temporada com a qual muitos velocistas sonham: campeão mundial dos 50 m e dos 100 m, recordista mundial dos 50 m e dos 100 m. Acho que cheguei a um patamar único”, disse Cielo. “Como não competi fora, só tinha os tempos dos treinos. Confiei muito no treinamento, na minha dedicação. Era a última chance de nadar com o maiô, ou eu ia ou ficava sem o recorde”, lembrou Cielo. “Só começamos a sentir que dava agora no final. No começo, não estava muito bem. Competi pouco, saí da Copa do Mundo, nadei o Paulista, em Santos e uma competição no Pinheiros, mas não foi a temporada ideal em termos de treinos e competição.” Cesar Cielo é campeão olímpico e mundial dos 50 m livre (Pequim/2008 e Roma/2009), recordista mundial dos 50 mlivre, medalhista de bronze olímpico nos 100 m livre (Pequim/2008), campeão e recordista mundial dos 100 m livre, com 46s91 (Roma/2009). Em 2010, ano sem Mundial, Pan-Americano ou Olimpíada, o objetivo principal do nadador é competir bem no Pan-Pacífico de Los Angeles, em agosto. Cielo segue para Auburn, no Alabama (EUA), em janeiro, para dar prosseguimento ao seu trabalho com Brett Hawke. Cesar Cielo é atleta do EC Pinheiros e tem os patrocínios de Arena, Correios e TNT.

Cielo faz o 2º melhor tempo da história nos 50 m livre

Com 21s02 no Brasileiro Sênior, nesta quinta-feira, campeão fica a 8 centésimos de segundo do recorde mundial de Frederick Bousquet, 20s94
São Paulo – Cesar Cielo voltou a fazer história nesta quinta-feira, no Campeonato Brasileiro Sênior de Natação, ao obter a segunda melhor marca de todos os tempos na prova dos 50 m livre. Campeão olímpico (21s30) e mundial (21s08) da distância, o velocista melhorou ainda mais seu desempenho com a marca de 21s02, a apenas 8 centésimos de segundo do recorde mundial do francês Frederick Bousquet (20s94). A marca de Cielo também é o novo recorde brasileiro e sul-americano para os 50 m livre – a anterior, 21s08, pertencia ao próprio Cielo, obtida no Mundial de Roma, em 2009. Nicholas dos Santos ficou com a prata (21s61) e Bruno Fratus, com o bronze (22s04). Quando Cielo completou a prova, ouviu-se um “Ah!!!!” na arquibancada. O público percebeu como o brasileiro esteve perto de bater o recorde mundial da distância. “Também fiquei assim. Ah!!!”, contou Cielo. “Foi bacana ter conseguido no Brasil o melhor tempo da minha vida, mas eu queria ter nadado para a casa dos 20 segundos, queria quebrar essa barreira dos 21 segundos.” Cielo, porém, diz que não tem do que reclamar. “Este foi o melhor ano da minha vida e para a natação brasileira também.” Cielo demorou a cair na água para os 50 m livre. Na série anterior, um nadador teve problemas com o maiô, precisou trocá-lo e a competição sofreu um atraso. “Atrapalhou um pouco, mas não adianta nem falar muito disso, porque os maiôs estão indo embora”, disse o brasileiro, contando que leva 20 minutos para vestir o maiô e outros 20 para tirá-lo. Esta foi a última competição de Cielo com o maiô X-Glide, da Arena. A partir de 2010, o uso de maiôs tecnológicos ficará proibido pela Federação Internacional de Natação (Fina). “Foi por pouco”, disse Cielo, referindo-se aos 21s02, muito próximo do recorde mundial. “Mas fico feliz porque essa marca me daria o título mundial outra vez. Ainda tem amanhã, vamos ver de novo.” O velocista volta à piscina nesta sexta-feira (as provas começam às 9h30), para a disputa dos 50 m livre no Torneio Open, que reúne os oito melhores tempos dos Brasileiros Sênior e Júnior – os três campeonatos estão sendo disputados simultaneamente no Pinheiros. Esta foi a segunda medalha de ouro de Cielo no Brasileiro Sênior. Na quarta-feira, o velocista venceu os 100 m livre, com 47s13, terceira melhor marca de sua carreira e a quinta melhor de todos os tempos. Só elogios Cesar Cielo chegou à Universidade de Auburn, nos Estados Unidos, em dezembro de 2005. Desde 2006, é treinado pelo técnico australiano Brett Hawke, de 34 anos, que só tem elogios para o pupilo. No Brasil, para o Open, Hawke só tem elogios para o pupilo. “Cielo é o melhor atleta que já tive. Já é motivado de natureza, sabe o que tem de fazer, conhece o corpo dele e é tranquilo. Quando tem pressão, cresce ainda mais”, diz Hawke. E o que poderia ser melhorado na preparação do campeão? ” Cielo é muito focado na prova. Acho que o pinguinho a melhorar é dar a ele uma perspectiva mais global”, finaliza o treinador. Cesar Cielo é campeão olímpico e mundial dos 50 m livre (Pequim/2008 e Roma/2009), medalhista de bronze olímpico nos 100 m livre (Pequim/2008), campeão e recordista mundial dos 100 m livre, com 46s91 (Roma/2009). Em 2010, ano sem Mundial, Pan-Americano ou Olimpíada, o objetivo principal do nadador é competir bem no Pan-Pacífico de Los Angeles, em agosto. Cielo segue para Auburn, no Alabama (EUA), em janeiro, para dar prosseguimento ao seu trabalho com Brett Hawke. Cesar Cielo é atleta do EC Pinheiros e tem os patrocínios de Arena, Correios e TNT.

Cielo quebra recorde dos 100 m livre do Brasileiro Sênior

Campeão mundial nadou a distância em 47s13, terceiro melhor tempo da carreira, para garantir a medalha de ouro e a nova marca da competição
São Paulo – Cesar Cielo começou bem a disputa de sua última competição de 2009, com vitória no Campeonato Brasileiro Sênior de Natação, nesta quarta-feira, no Esporte Clube Pinheiros, em São Paulo. Campeão mundial e recordista mundial dos 100 metros livre (Roma/2009), com 46s91, Cielo nadou a distância em 47s13 para conquistar a medalha de ouro e estabelecer o novo recorde do campeonato – a marca anterior, de 48s98, pertencia ao próprio Cielo desde o Campeonato Brasileiro Sênior de 2008, em Florianópolis. Dois atletas do Pinheiros completaram o pódio. Nicolas Oliveira ficou em segundo (48s65) e André Daudt foi o terceiro (49s05). O tempo de Cielo na prova desta quarta-feira, 47s13, é o terceiro melhor da carreira do brasileiro nos 100 m livre. Também em Roma, além de bater o recorde mundial, 46s91, o nadador estabeleceu 47s09 na abertura do revezamento 4 x 100 m livre. É, ainda, o quinto melhor de todos os tempos na distância. A segunda melhor marca nos 100 m livre é de Alain Bernard, 46s95. A terceira, de Eamon Sullivan, 47s05. As outras três são do brasileiro. Empolgação “Gostei muito do meu tempo”, disse Cielo, após a prova. “Tinha brincado com a galera que eu ia nadar bem rápido e nadei bem mesmo. Queria fazer qualquer 47: 47s80, por exemplo”, contou o campeão. “Minha cabeça não estava nos 46 segundos. E ainda peguei uma onda que me atrapalhou”, prosseguiu. “O resultado me deixa muito empolgado. Penso até em baixar um pouco meu tempo nos 50 m em relação ao que fiz no Mundial de Roma (21s08). Talvez tentar chegar nos 20 segundos.” O velocista volta à piscina amanhã (as provas começam às 9h30), para a disputa do Torneio Open, que reúne os oito melhores tempos dos Brasileiros Sênior e Júnior – os três campeonatos estão sendo disputados simultaneamente no Pinheiros. Prioridade A prioridade de Cielo na competição, porém, é a prova dos 50 m livre, em que é campeão olímpico (21s30) e mundial (21s08), que ainda nadará com o maiô X-Glide, da Arena. No ano que vem, a Fina proibiu o uso dos maiôs tecnológicos que ajudaram nas dezenas de recordes mundiais quebrados em 2009. A disputa dos 50 m livre pelo Brasileiro Sênior será quinta-feira, a partir das 16h30; pelo Torneio Open, sexta-feira, a partir das 9h30.

Cesar Cielo nada a última competição da temporada

O campeão olímpico e mundial disputará o Campeonato Brasileiro Sênior e o Torneio Open, de quarta a domingo, no Pinheiros; prioridade será a prova dos 50 m livre
São Paulo – O campeão olímpico e mundial Cesar Cielo disputa sua última competição de 2009, um ano especial após as medalhas de ouro nos 50 m e 100 m livre (com recorde mundial – 46s91), conquistadas no Mundial de Roma, em agosto. Cielo nada, a partir desta quarta-feira (16/12), no EC Pinheiros, em São Paulo, o XIX Campeonato Brasileiro Sênior – Troféu Prof. Dautely Guimarães e V o Torneio Open-Correios/CBDA, que serão realizados de forma simultânea. Cielo vai priorizar os 50 metros livre na sua última competição com o maiô X-Glide, da Arena. Em 2010, a Fina proibiu o uso dos maiôs tecnológicos que ajudaram nas dezenas de recordes mundiais quebrados este ano.   “Eu treinei para competir muito bem. Se eu acordar legal no dia da prova, e se tudo der certinho, posso fazer um bom resultado nos 50 metros livre”, observa Cielo, que nada sua principal competição do semestre – ficou fora das etapas da Copa do Mundo e competiu no Paulista, mas apenas como aquecimento. O torneio reunirá 800 atletas, nas categorias sênior (356 nadadores) e júnior (de 17 a 19 anos, com 478 nadadores). Na parte da tarde serão disputadas as provas das categorias júnior e sênior. Pela manhã, os oito melhores tempos da tarde do dia anterior competem no Torneio Open. Cesar Cielo estreia no torneio nadando os 100 m livre, nesta quarta-feira,`pelo Brasileiro Sênior – a prova será a oitava de um programa horário que tem início às 16h30 e Cielo nadará na oitava série, segundo o balizamento da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA). Os oito melhores fazem a decisão do Open na quinta-feira, a partir das 9h30. A prioridade de Cielo na competição será para os 50 metros livre. A prova será a 31ª, de acordo com o balizamento da CBDA, no programa horário do Sênior, quinta-feira, a partir das 16h30. A final do Open, nos 50 m livre, para os oito melhores tempos, será na sexta-feira, a partir das 9h30. O melhor tempo de Cesar Cielo nos 50 m livre é 21s08, feito no Mundial de Roma, em agosto. Para o técnico Alberto Silva, que orientou a preparação do velocista neste segundo semestre, Cesar Cielo fez um bom trabalho e está se sentindo bem. “Dentro daquilo que foi planejado, diferentemente do ano passado, conseguimos fazer o trabalho e ele está muito bem. Vai depender do dia.  Se considerarmos as coisas que ele fez em treinos, dá para ter uma expectativa muito boa em relação aos 50 m e aos 100 m”, avaliou Albertinho, técnico da forte equipe de natação do Pinheiros. O técnico ainda acrescentou que, para os 100 m, a estratégia traçada será conservadora, “não pensando em resultado para não atrapalhar os 50 m”. Nos 50 m, a prova mais rápida da natação, Albertinho acha que o tempo também dependerá “de Cielo conseguir encaixar bem a saída”. Cesar Cielo ainda está inscrito nos 50 m borboleta e poderá integrar os revezamentos da equipe do Pinheiros, de acordo com escalação do técnico Alberto Silva (4×50 m livre, 4×100 m livre e 4×100 m medley). “Acho que pelo menos o 4×50 m livre ele nadará. Em princípio, ele é titular nos três revezamentos, mas ainda vamos ver dentro da competição, vamos decidir.” Cielo voltará para Auburn, EUA, em janeiro. Em 2010, ano sem Mundial, Pan-Americano ou Olimpíada, o objetivo principal do nadador é competir bem no Pan-Pacífico de Los Angeles, em agosto. Brett no Brasil O campeonato que fecha o ano da natação brasileira terá a participação do técnico australiano Brett Hawke, que trabalha com Cesar Cielo e a equipe da Universidade de Auburn, no Alabama (EUA). Brett vem a São Paulo para uma palestra para o técnicos brasileiros sobre o treino de Cesar Cielo, na sexta-feira (18/12), às 20 horas, no Pinheiros. A partir daí, acompanhará a competição e ficará à disposição dos técnicos para troca de ideias até domingo. Cesar Cielo é atleta do EC Pinheiros e tem os patrocínios de Arena, Correios e TNT.