Cielo vai a semifinal dos 50 m livre com melhor tempo e recorde do torneio

Mesmo após sono leve por causa de recorde e título mundial nos 100 m livre, o brasileiro nada as eliminatórias da distância em 21s37
São Paulo – Algumas horas após ter ganho o título com recorde mundial dos 100 m livre (46s91), na noite de quinta-feira (30/7), em Roma, Cesar Cielo voltou à piscina do Foro Itálico para nadar as eliminatórias dos 50 m livre, na manhã desta sexta-feira, pelo 13º Mundial de Desportos Aquáticos. Cielo admitiu que teve um “sono leve por causa da adrenalina” causada pelo ouro da noite anterior. Mesmo assim, obteve o melhor tempo dentre os competidores de 23 séries nos 50 m livre: 21s37, recorde do campeonato. Outro brasileiro, Nicholas Santos, foi à semifinal com o 13º mehor tempo entre os 16 classificados (21s95). Cielo deixou a piscina do Foro Itálico para um descanso breve dizendo que as semifinais devem ter tempos bem fortes nesta sexta-feira, a partir das 13 horas (horário de Brasília). A marca anterior do Campeonato Mundial, de 21s69, pertencia ao sul-americano Roland Schoeman e havia sido quebrada minutos antes de Cielo cair na água por George Bovell, de Trinidad e Tobago, com 21s37. Cielo, que nesta temporada já tem a marca de 20s14 (tempo obtido nas seleltivas norte-americanas) na distância, fez 21s37 na eliminatória seguinte para novo recorde do campeonato. O recordista mundial dos 50 m livre (com 20s94), o francês Frederick Bousquet, nadou a última série e se classificou com 21s63, atrás do sueco Stefan Nystran, com 21s63, dono da segundo melhor tempo depois de Cielo. Bousquet levou o bronze nos 100 m livre. Alain Bernard, outro francês que dividiu o pódio com Cesar Cielo nos100 m livre (ficou com a medalha de prata), na noite anterior, não nadou os 50 metros. A vaga na seleção francesa é de Amaury Leveaux que foi o sexto nas eliminatórias, com 21s70. Cielo, que enfrentou a rotina de campeão e recordista mundial na noite de quinta-feira – incluindo coletiva de imprensa e pódio com festa – não reclamou do cansaço. “Não foi fácil dormir ontem após a adrenalina dos 100 metros. Mas os 50 metros são só a ida… Treinei seis meses para isso.” Observou que o pior nas eliminatórias da prova é saber que “estão em jogo apenas 16 vagas”. Agradeceu os elogios que recebeu do ´professor´ Gustavo Borges após o resultado dos 100 m livre, a prova mais nobre da natação. Gustavo disse que Cielo está influenciando os jovens nadadores. “É muito bom ouvir elogios dele, saber que estou influenciando uma galera e ajudando a melhorar a natação brasileira.” Cesar Cielo é atleta do EC Pinheiros e tem patrocínio da Arena e dos Correios.

Cielo nada final dos 50 m livre focado nos 20 segundos

Ainda sob o impacto do recorde mundial e da medalha de ouro, velocista fez 21s35 na distância, o quarto melhor tempo das semifinais
São Paulo – Cesar Cielo ainda estava sob o impacto da conquista da noite anterior – o ouro com recorde mundial na prova mais nobre da natação, os 100 m livre (46s91). Mesmo assim, não teve dificuldade para se classificar para a decisão do título dos 50 m livre no 13º Mundial de Desportos Aquáticos, neste sábado, a partir das 13 horas (de Brasília), no Foro Itálico de Roma (com SporTV). Cielo, que nadou a segunda série das semifinais nesta sexta-feira, fez 21s35 e ficou atrás do recordista mundial da distância Fred Bousquet, que foi à decisão com novo recorde do torneio, com 21s21. Somadas as duas séries, Cielo fez o quarto tempo no geral, atrás de Bousquet, do croata Duje Draganja (21s29) e do francês Amaury Leveaux (21s32) e à frente do americano Cullen Jones (21s40), do sueco Stefan Nystrand (21s45), de George Bovell, de Trinidad e Tobago, e de Krisztian Takacs, da Hungria (ambos com 21s65). O brasileiro Nicholas dos Santos ficou fora da final por muito pouco, em 10º lugar com 21s69 – nove competidores se classificaram. Cielo e Bousquet treinam em Auburn, no Alabama (EUA), com o australiano Brett Hawke, um especialista em velocidade. E foram justamente os dois primeiros colocados na segunda semifinal. “Está dando certo. Mas tenho certeza que o trabalho duro que fazemos lá daria certo em qualquer lugar do mundo. Vai ser um bom duelo”, disse o brasileio sobre a decisão contra Bousquet. Cielo acredita que o tempo da medalha de ouro dos 50 m livre neste sábado seja na casa dos 20 segundos. E está confiante, embora observe que a prova mais rápida da natação não exige estratégia. “Você tem de bater primeiro. Alguns vão nadar na casa dos 20 segundos e eu sou um deles. Os outros eu não sei.” O brasileiro ainda espera que o país invista mais nos esportes olímpicos como a natação, que não têm a mesma visibilidade do futebol, e disse que o resultado de qualquer trabalho sério feito a longo prazo aparece. Cielo voltou a citar os Correios como exemplo de patrocinador que investe a longo prazo e o trabalho sério do clube Pinheiros. “Eu mesmo quando cheguei no Pinheiros fazia 53 segundos nos 100 m livre e hoje nado para 46s.” Resultado de Cielo repercute no mundo A conquista da medalha de ouro e do recorde mundial de Cesar Cielo nos 100 m livre repercutiu na imprensa do Brasil e da Europa. O brasileiro foi destaque nas principais publicações e mereceu chamada na capa do site oficial da Federação Internacional de Natação (Fina) – na foto, o velocista chora de emoção pelo resultado na cerimônia de premiação. Na Itália, onde o Mundial está sendo realizado, o La Republica classificou o desempenho de Cielo como “O recorde dos recordes” e comparou o brasileiro a alguns dos principais nomes da prova na história, entre eles Jim Montgomery, Matt Biondi e Pieter van Hoggenband. A tradicional Gazzetta dello Sport recorreu aos céus para comentar o resultado. Chamando o brasileiro de Santo Cielo, a publicação descreveu sua performance como “A corrida perfeita do filho de Deus” na manchete. O Corriere della Serra destacou o fato de o nadador mais rápido do mundo ser de um país com tradição no futebol. A França também se rendeu ao desempenho de Cielo. Lembrando que o brasileiro nadou ao lado de dois franceses (Alain Bernard e Fred Bousquet), o L’Équipe estampou a manchete: “Muito bonito, mas triste”. No Brasil, os principais jornais do país destacaram o recorde e a conquista da medalha de ouro, após 27 anos de espera. O Estado de S. Paulo abriu o primeiro caderno com foto de Cielo e dedicou cinco páginas internas para o assunto. Em uma das matérias, o fenômeno Michael Phelps declara: “Ele é o melhor velocista de hoje”. E vai mais além: “Hoje eu não teria a mínima chance de bater o brasileiro (nos 100 metros), ele é incrível”. A Folha de S. Paulo também deu capa para o nadador e três páginas do caderno de esportes. Em uma das matérias, o técnico Brett Hawke explica o segredo do sucesso dos velocistas de Auburn. O jornal O Globo, do Rio de Janeiro, deu foto do nadador no alto da capa e dedicou uma página inteira, além de uma coluna com o título “Ave, Cielo!”. Cesar Cielo é atleta do EC Pinheiros e tem patrocínio da Arena e dos Correios.

Ave Cesar! Cielo é o homem mais rápido do mundo

O campeão olímpico venceu a prova mais nobre da natação mundial, os 100 metros livre, com novo recorde mundial: 46s91
São Paulo – O brasileiro Cesar Cielo fez história nesta quinta-feira, no 13º Mundial de Desportos Aquáticos, no Foro Itálico, em Roma (ITA). Cielo levou a medalha de ouro na prova mais nobre da natação, os 100 metros livre, com novo recorde mundial para a distância: 46s91 (também novas marcas sul-americana e brasileira). O mais rápido na distância era o australiano Eamon Sullivan, com 47s05, tempo das semifinais da Olimpíada de Pequim, de agosto de 2008. Em Roma, Cielo ainda bateu os seus dois principais rivais, os franceses Alain Bernard, prata com 47s12, e Frederick Bousquet, bronze com 47s25. “Foi sensacional. Em dois anos da minha carreira, dei um salto de alguém que estava buscando alguma coisa para entrar para a história da natação brasileira. É a prova mais tradicional da natação mundial. Eu cresci vendo o Gustavo Borges (também medalhista olímpico) nadar essa prova. E agora trouxe esse ouro para o Brasil”, disse Cielo.
“Está doendo muito agora. Estou com dores fortes no corpo, mas tinha decidido que ia ser uma prova em que eu iria sentir mesmo muita dor, a mais dolorida da minha vida. Minhas pernas estão muito, muito pesadas”, completou, sobre o esforço. Ainda falou dos tapas que deu em si mesmo antes da prova para acordar o corpo e vencer a pressão. “Ali, é você sozinho, mano a mano, sem ninguém para ajudar. Muita pressão.” Agradeceu o Clube Pinheiros, os seus patrocinadores Arena e Correios, e o apoio da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA). Na cerimônia de entrega de medalhas, Cielo cantou o início do Hino Nacional, mas não resistiu à emoção e terminou chorando no pódio, como já havia feito na Olimpíada de Pequim. Deu flores para a mãe Flávia, agradeceu o pai Cesar e a irmã Fernanda que estavam na arquibancada e foi muito aplaudido, reverenciado pelo público que lotava o Foro Itálico.
O brasileiro é o primeiro homem a nadar abaixo dos 47 segundos, em cronometragem oficial e válida – a marca de 46s94, de Alain Bernard, feita em abril, não foi homologada porque o maiô usado não era aprovado pela Fina. Cielo admitiu que havia colocado como objetivo a marca de 46s89 para a prova num dos papéis que costuma escrever e pregar nas paredes de seu quarto para o tempo desejado para a distância no Mundial. A única medalha de ouro da natação brasileira em Mundiais tinha sido conquistada há 27 anos por Ricardo Prado, nos 400 m medley, em Guayaquil/1982. Com o ouro de Cielo nos 100 m livre, a prata de Felipe França nos 50 m peito e o bronze de Poliana Okimoto na maratona aquática o Brasil soma agora sete medalhas em Mundiais. Cielo já havia entrado para a história da natação brasileira ao ser o primeiro campeão olímpico, nos 50 m livre, há um ano, no dia 16 de agosto de 2008, em Pequim. Também tinha levado o bronze olímpico nos 100 m livre, prova vencida por Alain Bernard na Olimpíada. Fred Bousquet é o atual detentor do recorde mundial dos 50 m livre. O melhor tempo de reação da prova Em Roma, Cielo fez uma prova excepcional. Teve um tempo de reação incrível (0,66) na largada, o melhor dentre todos os competidores, ao lado do também brasileiro Nicolas Oliveira, virou nos 50 m com 22s17, atrás apenas de Fred Bousquet e foi buscar a medalha no final. Ao bater na borda olhou o relógio e comemorou de braços erguidos procurando os brasileiros nas arquibancadas. Ainda na piscina abraçou o francês Bernard e já fora dela foi cumprimentado por Bousquet, que foi seu companheiro de treinos neste semestre em Auburn (EUA). Enquando falava com jornalistas parou para abraçar o seu técnico australiano Brett Hawke. Cesar Cielo volta à piscina do Foro Itálico nesta sexta-feira, às às 4 horas (horário de Brasília), para as eliminatórias dos 50 m livre. As semifinais da prova estão programadas para o mesmo dia, a partir das 13 horas. Ainda disputa o 4×100 m medley, com a equipe do Brasil, no domingo, último dia do Mundial.Nas semifinais dos 100 m livre, Cesar Cielo fez o segundo melhor tempo na classificação, com 47s48. Nas eliminatórias, foram disputadas 22 séries dos 100 m livre e Cielo fez o oitavo melhor tempo, com 47s98. O brasileiro já havia quebrado o recorde sul-americano da distância no Mundial de Roma duas vezes, no primeiro dia de disputas, quando abriu o revezamento 4×100 m livre, nas eliminatórias, com 47s39, e na final, com 47s09. A marca anterior era de 47s60, feita no Troféu Maria Lenk, em maio. Evolução do recorde dos 100 m livre 49s99 – James Montgomery (EUA) – 25/7/76, Montreal (CAN) 49s44 – Jonty Skinner (AFS) – 14/8/76, Philadelfia (EUA) 49s36 – Ambrose Gaines (EUA) – 3/4/81,Austin (EUA) 49s24 – Matt Biondi (EUA) – 6/8/85, Mission Viejo (EUA) 48s95 – Matt Biondi (EUA) – 6/8/85, Mission Viejo (EUA) 48s74 – Matt Biondi (EUA) – 23/6/86, Orlando (EUA) 48s42 – Matt Biondi (EUA) – 10/8/88, Austin  (EUA) 48s21 – Alexander Popov (RUS) – 18/6/94, Mônaco (FRA) 48s18 – Michael Klim (AUS) – 16/9/00,Sydney (AUS) 47s84 – Pieter van den Hoogenband (HOL),19/9/00-Sydney (AUS) 47s60 – Alain Bernard (FRA) – 21/3/08, Eindhoven (HOL) 47s50 – Alain Bernard (FRA) – 22/3/08, Eindhoven (HOL) 47s24 – Eamon Sullivan (AUS) – 11/8/2008, Pequim (CHI) 47s20 – Alain Bernard (FRA) – 13/8/2008, Pequim (CHI) 47s05 – Eamon Sullivan (AUS) – 13/8/2008, Pequim (CHI) 46s91 – Cesar Cielo (BRA) – 30/07/2009, Roma (ITA) (A marca de 46s94, feita por Alain Bernard, em 23/4/2009, não foi homologada porque o maiô usado não tinha aprovação da Fina) Medalhas do Brasil em Mundiais Ouro Guayaquil/1982 – Ricardo Prado, 400 m medley Roma/2009 – Cesar Cielo, 100 m livre Prata Roma/2009 – Felipe França, 50 m peito Bronze Berlim/1978 – Romulo Arantes (100 m costas) Roma/1994 – Gustavo Borges (100 m livre) Roma/1994 – Gustavo Borges, Revezamento 4×100 m livre Roma/2009 – Poliana Okimoto (maratona aquática 5 km) Cesar Cielo é atleta do EC Pinheiros e tem patrocínio da Arena e dos Correios.

Cesar Cielo está na final do Mundial dos 100 m livre

comemorou a presença de Nicolas Oliveira na decisão
São Paulo – O campeão olímpico dos 50 m livre Cesar Cielo está na final dos 100 m do mesmo estilo, prova que será realizada nesta quinta-feira, a partir das 13 horas, no Foro Itálico, em Roma (ITA), sede do 13º Mundial dos Desportos Aquáticos. As semifinais foram tão fortes que todos os classificados nadaram na casa dos 47 segundos. Cielo comemorou sua vaga na final com o segundo melhor tempo (47s48) dentre os 16 semifinalistas e também a presença de mais um brasileiro, Nicolas Oliveira, na decisão. Cesar Cielo nadou a primeira semifinal na raia 6 e fez o segundo melhor tempo dos 100 m livre, com 47s48, atrás do francês Alain Bernard (47s27) e à frente do suíço Stephan Nystran (47s53). O brasileiro Nicolas Oliveira fez o quarto tempo (47s78) e também assegurou presença na disputa por medalhas. A série foi tão forte que os quatro primeiros entraram na decisão. O melhor da segunda semifinal foi o canadense Brent Hayden, com 47s88, o quinto tempo da etapa. Completam a final o norte-americano David Walters (47s92), o sul-africano Lyndon Ferns (47s96) e o francês Fred Bousquet (47s98). Nas eliminatórias, realizadas no horário da manhã, foram disputadas 22 séries dos 100 m e Cielo fez o oitavo melhor tempo, com 47s98. “Tenho de tomar conta de cada uma das provas. É um passo de cada vez. Agora chegou a final dos 100 m livre e será uma decisão muito dura. Vou entrar amanhã para fazer o meu melhor tempo e espero que seja o mais forte – é botar em teste tudo o que eu fiz na temporada”, disse Cielo, após as semifinais. Sobre ter mais um brasileiro, Nicolas Oliveira, na final, o medalhista olímpico afirmou estar muito feliz com a evolução da equipe brasileira. “É um prazer enorme ver o Nicolas, mais um brasileiro nadando na casa dos 47 segundos. Somos os mais jovens da final e ainda podemos evoluir.” Cesar Cielo, atleta do EC Pinheiros e que tem patrocínio da Arena e dos Correios, nada as eliminatórias dos 50 m livre na madrugada de sexta-feira (horário de Brasília).

Confiante, Cesar Cielo faz estreia individual em Roma

O campeão olímpico nada os 100 m livre, nesta quarta-feira, no 13º Mundial de Desportos Aquáticos
São Paulo – Cesar Cielo inicia a disputa individual no 13º Mundial de Desportos Aquáticos sob pressão, mas muito confiante. Nada as eliminatórias dos 100 metros livre nesta quarta-feira às 4 horas, buscando vaga nas semifinais, que serão realizadas no mesmo dia, a partir das 13 horas (horários de Brasília). Matérias de tvs, jornais e sites do Brasil e do exterior destacam Cielo. É apontado por companheiros como exemplo e por técnicos como o favorito. Apesar de toda a expectativa, Cesar Cielo garante que não se sente pressionado e até prefere essa condição de um dos favoritos. “Acho que é melhor agora, saber que estou entre os melhores ajuda”, disse, comparando a situação com a Olimpíada de Pequim, quando levou a medalha de bronze nos 100 m livre e o ouro nos 50 m livre. “O desafio é me manter entre os melhores, mas sei o que eu sou capaz de fazer. Dá mais confiança do que pressão saber que posso nadar entre os melhores. Fiz o que tinha de fazer, agora é nadar.” Cielo, de 22 anos e 1,96 m, mostrou que está rápido ao abrir o revezamento 4×100 m livre da equipe brasileira no domingo com 47s39, nas eliminatórias, e 47s09, na final, ambas as marcas novos recordes sul-americanos e do campeonato dos 100 m livre. Além do talento, Cielo sabe que trabalhou muito duro na temporada, tendo de abrir mão do restante de sua vida para dar prioridade à natação. “A ideia é nadar bem minhas duas provas (50 m e 100 m, livre). Treinei muito para elas a temporada toda, embora tenha preferência pelos 50 m. Minha expectativa é a de baixar minhas marcas nas duas provas, fazer o menor tempo possível. Quero bater na borda, olhar para o tempo e me sentir satisfeito”, observou Cielo. O técnico australiano Brett Hawke, com quem Cielo treinou, em Auburn, para o Mundial de Roma, disse que a preparação foi bem similar à feita para os Jogos de Pequim, em 2008, mas um pouco mais longa. “Começamos a trabalhar em janeiro.” Hawke também está confiante sobre as chances de Cielo. “Ele tem chances muito boas de conquistar o ouro. E o recorde mundial vai ser batido em Roma”, disse Hawke. Sobre os adversários, citou Frederick Bousquet. “Cielo vai nadar contra seu companheiro de treino e o vencedor vai bater o recorde mundial”, aposta. Segundo Hawke, Cielo evoluiu desde que chegou aos Estados Unidos, em 2006. “Ele cresceu fisicamente, amadureceu e mentalmente está muito forte. Ele acredita em si mesmo”, disse Brett, de 34 anos, ex-velocista do estilo livre. “Entendo os atletas e respeito o duro que eles dão.” Craque da velocidade Para Alberto Silva, o Albertinho, técnico da seleção brasileira e do Pinheiros, Cesar Cielo forma com o australiano Eamon Sullivan, que não vai nadar no Mundial de Roma, uma seleta dupla de craques da atualidade nas provas de velocidade do estilo livre. “O Cielo entra no Mundial forte para as duas provas. Se tudo der certo na hora, se sentir confiança, der umas braçadinhas e sair tudo do jeito que ele gosta, ele é o favorito nas duas provas…. O Fred Bousquet e o Alain Bernard podem fazer resultados, mas craques mesmo nessas provas atualmente são o Cesar Cielo e o Sullivan, os mais rápidos e os que conseguem ter mais eficiência e qualidade na natação.” Albertinho, que treinou o medalhista olímpico Gustavo Borges, e também trabalha com Cesar Cielo no Pinheiros, desde que ele tinha 16 anos, ainda acha que foi importante Brett Hawke apostar nos 50 m e 100 m na temporada. “Após o Pan do Rio, em 2007, o Brett Hawke priorizou os 50 m livre e deu certo. Nesta temporada, resolveu treinar os 50 m e os 100 m, o que eu acho bom. Ele tem mais tempo para trabalhar até a próxima Olimpíada (Londres/2012).” Cesar Cielo, atleta do EC Pinheiros e que tem patrocínio da Arena e dos Correios, nada as eliminatórias dos 50 m livre na madrugada de sexta-feira (horário de Brasília).