Cesar Cielo diz que o seu maiô está na lista dos aprovados da Fina

“Para mim não muda nada”, afirma o nadador, que usará o R-Evolution Plus no Mundial
São Paulo – O campeão olímpico Cesar Cielo disse que a lista de maiôs aprovados divulgada pela Federação Internacional de Natação (Fina) não muda em nada a sua escolha em relação ao traje que usará no Mundial de Roma, em agosto. O velocista decidiu que vestirá o Evolution Plus, peça da marca italiana Arena, que ajudou a desenvolver e recebeu a chancela da entidade dirigente da natação mundial. “É aquele que tem as placas de borracha laterais e os risquinhos no peitoral”, descreveu Cielo, nesta terça-feira, em Auburn, Alabama (EUA), onde está treinando com o técnico australiano Brett Hawke. Cielo também tinha testado o X-Glide, da Arena, durante o Troféu Maria Lenk – foi o maiô que rasgou. “Eu ainda poderia testar os dois no Mare Nostrum, mas na minha cabeça já tinha definido. Eu gosto mais dele (Evolution Plus). Só me fez economizar os dedos e o tempo porque o outro é muito, mas muito difícil de vestir”, observou Cielo. Quando aos recordes mundiais dos franceses Alain Bernard, nos 100 m livre (46s94) e nos 50 m livre (20s94), quebrados com maiôs que não estão na lista dos aprovados pela Fina, Cielo acha que as marcas “não podem ser simplesmente apagadas”. “Valer como recorde mundial é difícil, mas não acho certo apagar as marcas, porque já foram feitas. Talvez a Fina pudesse fazer como nos 4×50 m livre, que eles consideram melhor marca mundial, mas não recorde mundial.” Cesar Cielo é atleta do EC Pinheiros e tem patrocínio da Arena e dos Correios.

Cielo é capa da edição de maio da revista da Fina

A edição de maio da revista `FINA Aquatics World´, publicação impressa da Federação Internacional de Natação (Fina) distribuída aos 202 países filiados à entidade, trará uma entrevista com o nadador brasileiro Cesar Cielo. Sob o título `Brazil´s Golden Boy´, a conversa com o editor-chefe da revista, Pedro Adrega, já está disponível no site da Fina – www.fina.org. A matéria, em inglês, traz um perfil do nadador brasileiro, aborda a importância da medalha de ouro olímpica, ganha por Cielo nos 50 m livre, para a natação brasileira, e traz um amplo questionário – pergunta e resposta – feito por Adrega com o velocista.   Cesar Cielo é atleta do EC Pinheiros e tem patrocínio da Arena e dos Correios.

Cielo tem orgulho de ser exemplo para brasileiros

`Fico feliz por saber que tive o papel de ajudar a incutir essa mentalidade (vencedora)´
São Paulo – Os nadadores do Pinheiros, que ganharam o Troféu Maria Lenk com grande superioridade, foram homenageados pelo clube, nesta quinta-feira, num encontro com a diretoria e a imprensa de São Paulo. O Pinheiros tem 16 dos 27 nadadores que formam a seleção brasileira que irá ao Mundial de Roma, em agosto. O campeão olímpico Cesar Cielo, que levou seis ouros no Maria Lenk, cinco deles com recorde sul-americano, estava entre os homenageados, ao lado de companheiros como Felipe França e Henrique Barbosa. O campeão olímpico dos 50 m livre foi apresentado como exemplo para a natação brasileira. “Fico feliz por saber que eu tive o papel de ajudar a incutir essa mentalidade, mas nesses resultados dos outros nadadores brasileiros está o trabalho duro de cada um deles”, disse referindo-se ao recorde mundial nos 50 m peito, de Felipe França e a também incrível atuação de Henrique Barbosa nos 100 m peito. Sobre o fato de o Brasil não ter muitas medalhas em Mundiais e de levar para Roma a maior seleção de todos os tempos, Cielo disse que espera bons resultados. `Acho que dessa vez não vamos ficar sem medalha. Pelo menos umas três podem vir para nós.´ Cielo observa que Roma pode até ser o Mundial da ‘ressaca olímpica’ – vários nadadores vão dar um tempo na temporada ou voltaram a nadar quase agora, como o multicampeão olímpico Michael Phelps. Mas os principais velocistas, como os franceses Fred Bousquet e Alain Bernard, e o australiano Eamon Sullivan estarão na prova. `Ano pós-olímpico é assim mesmo, um pouco mais difícil. O que me motiva a treinar é provar que posso nadar bem. Hoje já vejo os tempos baixos que estão sendo feitos como um incentivo. No ano passado, antes da Olimpíada, eu ficava bravo quando via os tempos caírem. Na minha cabeça não tenho mais dúvidas: estou indo para brigar por medalha no Mundial.´ Disputando o Maria Lenk ‘pesado’, de tanta rodagem na piscina e musculação, Cesar Cielo confessa que os resultados do torneio ajudaram na motivação para o Mundial. Terminou o campeonato com ouro nos 50 m livre (21s33) e medalhas de ouro e recordes sul-americano nos 50 m borboleta (23s42), nos 100 m livre (47s60) e nos revezamentos 4×50 m livre (1min26s42), 4×100 m medley (3min33s83) e 4×100 m livre (3min14s45). O campeão olímpico nos 50 m livre e medalhista de bronze nos 100 m livre nos Jogos de Pequim volta para Auburn, no Alabama, nos Estados Unidos, neste sábado. Retoma os treinos para o Mundial com o técnico australiano Brett Hawke. Sua próxima competição será o Maré Nostrum, em Barcelona (ESP) e Cannet (FRA), em junho. Cesar Cielo é atleta do EC Pinheiros e tem patrocínio da Arena e dos Correios.

Cesar Cielo leva dois ouros no último dia do Maria Lenk

O campeão olímpico venceu os 100 m livre e o 4×100 m livre, com dois novos recordes sul-americanos
São Paulo – Cesar Cielo fechou sua participação no Troféu Maria Lenk, neste domingo, no Rio de Janeiro, com dois novos recordes sul-americanos. Venceu os 100 metros livre com o tempo de 47s60, melhorando o recorde continental e a marca de 47s67, com a qual ganhou a medalha de bronze olímpica nos Jogos de Pequim/2008. Um pouco depois voltou para a piscina do Parque Aquático Maria Lenk, com os companheiros do clube Pinheiros para nadar o revezamento 4×100 m livre. Foi o segundo a nadar, com Nicholas Oliveira, Nicolas Santos e Fernando Silva, grupo que deixou a piscina com o recorde sul-americano: 3min14s45.
  Nos 100 m livre, Cielo fez o quarto melhor tempo do mundo no ano, atrás dos franceses Alain Bernard (46s94), recordista mundial, e Fred Bousquet (47s15) e do russo Andrey Gretchin (47s59). “Não sei o que aconteceu aqui (no Rio). Cheguei a pensar que não daria para quebrar o recorde, mas deu. Pensava em nadar no nível do Maria Lenk do ano passado, mas acabei fazendo o que fiz em Pequim”, disse Cielo que também chegou perto de sua performance do ouro olímpico nos 50 m livre, disputado no primeiro dia, com 21s33 contra 21s30 de Pequim. O campeão olímpico Cesar Cielo tinha pretensões mais modestas na véspera do Troféu Maria Lenk. Como está pesado, dos treinos duros que vem fazendo para o Mundial de Roma, em Auburn, Alabama, nos Estados Unidos, não esperava as boas marcas que, no entanto, foram saindo no campeonato. O nadador aproveita o domingo para passar o Dia das Mães com sua mãe Flávia, a irmã Fernanda e o pai Cesar, antes de retomar a rotina de treinos já nesta segunda-feira. Cielo voltará para os Estados Unidos para continuar sua preparação ao Mundial com o técnico australiano Brett Hawke.Cielo ajudou o Pinheiros a obter o seu 7º título consecutivo, o 12º da história, com recorde do campeonato e ouro nos 50 m livre (21s33) e medalhas de ouro e recordes sul-americano nos 50 m borboleta (23s42), nos 100 m livre (47s60) e nos revezamentos 4×50 m livre (1min26s42), 4×100 m medley (3min33s83)  e 4×100 m livre (3min14s45). Deixa o Rio de Janeiro com seis medalhas de ouro – levou o título em todas as provas que nadou, três individuais e três coletivas. Cesar Cielo é atleta do EC Pinheiros e tem patrocínio da Arena e dos Correios.

Cielo integra grupo que sonha com pódio em Roma

O revezamento 4×100 m medley que bateu o recorde sul-americano com 3min33s83 ainda pode baixar esse tempo
São Paulo – Cesar Cielo integrou o revezamento 4×100 m medley do Pinheiros, de São Paulo, que nadou a prova em 3min33s83, novo recorde sul-americano, na sexta-feira, nas eliminatórias da quarta etapa do Troféu Maria Lenk. A equipe não voltou para a decisão da prova, neste sábado, para poupar os seus atletas que ainda terão desafios importantes pela frente no último dia de provas, neste domingo, no Parque Aquático Maria Lenk, no Rio. O SporTV mostra as competições ao vivo.   Cesar Cielo nadará os 100 m livre, prova na qual foi medalhista de bronze nos Jogos de Pequim/2008, neste domingo, a partir das 10 horas (terá de passar pelas eliminatórias, neste sábado, às 17 horas). `Ele mostrou que está melhor do que imaginava para esta época de treinos pesados visando o Mundial de Roma, em agosto. Acho que qualquer 47 segundos que ele fizer nos 100 m livre será um bom resultado´, acentuou o técnico Alberto Silva, do Pinheiros. O velocista nadou os 100 m livre no revezamento do Pinheiros ao lado de Guilherme Guido, no costas, Henrique Barbosa, no peito, e Gabriel Mangabeira, no borboleta, nas eliminatórias de sexta-feira (3min33s83), com o melhor tempo do ano no mundo e novo recorde sul-americano. Para se ter uma ideia da superioridade do grupo, que deve formar o revezamento do Brasil no Mundial de Roma, em agosto, o Minas Tênis Clube ganhou a prova, neste sábado, com 3min42s54. `O tempo do Pinheiros foi muito bom, mas como todos eles, individualmente, podem nadar suas provas abaixo do que fizeram, o Brasil tem condições de bater o tempo do atual recorde mundial do 4×100 m medley, de 3min29s. É certo que essa marca também deve cair em Roma, mas eles podem chegar ao Mundial na briga por medalha´, disse Albertinho. Cesar Cielo levou três medalhas no Maria Lenk até o fim da quarta etapa. O nadador venceu os 50 m livre (21s33), prova em que é campeão olímpico, com recorde do torneio; os 50 m borboleta, com recorde sul-americano (23s42) e o revezamento 4×50 m livre do Pinheiros, também com recorde continental (1min26s42). Ainda levou o recorde sul-americano no 4×100 m medley. Cesar Cielo é atleta do EC Pinheiros e tem patrocínio da Arena e dos Correios.

Cesar Cielo bate recorde dos 50 m borboleta

Campeão olímpico no estilo livre ganha a sua terceira medalha de ouro no Troféu Maria Lenk e pulveriza marca do continente na prova.
São Paulo – César Cielo bateu o recorde dos 50 m borboleta, com o tempo de 23s42, nesta sexta-feira, no Troféu Maria Lenk, no Rio de Janeiro. Foi a terceira medalha de ouro ganha pelo nadador na principal competição nacional  – Cielo venceu os 50 m livre, na primeira etapa, e integrou o revezamento 4×50 m livre do Pinheiros, na segunda etapa (também com recorde sul-americano). Nicolas dos Santos, companheiro de clube de Cielo, também nadou abaixo do recorde: 23s43. Caio Márcio, que caiu na piscina sozinho porque está sem clube, fez 23s44. Apenas um centésimo de segundo separou os competidores, o que mostra a incrível evolução da natação brasileira na prova. Nas eliminatórias, na quinta-feira, o recorde já havia caído duas vezes. César Cielo nadou os 50 m borboleta em 23s49 e Guilherme Roth dos Santos fez a prova em 23s46. O recorde anterior pertencia a Fernando Scherer, o Xuxa, desde 2005. Nesta sexta-feira, Guilherme Roth foi o terceiro na decisão, com 23s64. Com os tempos, Cielo e Nicolas ficaram com as duas vagas nos 50 m borboleta para o Mundial de Roma, de 17 de julho a 22 de agosto. “Na verdade, eu tentei fazer o meu melhor. Controlei a minha prova”, acentuou Cielo. “Mas a diferença foi muito pequena, um segundo só à frente. Hoje, a prova foi minha”, acrescentou o nadador, de 22 anos e 1,96 m, referindo-se à véspera, em que o recorde que bateu durou apenas alguns minutos. O campeão olímpico nos 50 metros livre está fazendo tempos bons para esta fase do ano já que todo o seu treino está voltado para o Mundial de Roma. “Esta competição está sendo uma surpresa para mim, mas uma surpresa legal, é claro. A prova teve um nível muito bom para a natação brasileira”, disse Cielo, observando que os seus resultados no Maria Lenk servem como estímulo para seguir treinando. Cielo que está testando os maiôs da empresa italiana Arena, deixou a piscina do Maria Lenk nesta sexta-feira dizendo “acho que é esse o que eu vou usar no Mundial”. Mas o nadador observou que a escolha do maiô é apenas um detalhe. “Vou ter de me concentrar na minha preparação.” Depois do Maria Lenk, o nadador volta para Auburn, no Alabama, Estados Unidos, para seguir treinando com o técnico australiano Brett Hawke. O velocista ainda vai nadar os 100 m livre no Maria Lenk, além dos dois revezamentos 4×100 m medley e 4×100 m livre do Clube Pinheiros. As eliminatórias dos 100 m livre serão neste sábado, a partir das 17 horas. E as finais no domingo, a partir das 10 horas. Cesar Cielo é atleta do EC Pinheiros e tem patrocínio da Arena e dos Correios.