Recordes de Cesar Cielo em jardas sobrevivem aos novos maiôs

Terminado o NCAA, o brasileiro ainda é o detentor das melhores marcas do mundo nas 50 e 100 jardas livre que resistiram aos supertrajes
São Paulo – Com o fim do campeonato universitário norte-americano de natação, o NCAA, no fim de semana, Cesar Cielo já sabe que seus recordes mundiais nos 50 e 100 jardas livre foram mantidos. Em 2008, o brasileiro foi campeão das 50 jardas livre (18.47) e das 100 jardas livre (40.92) e o destaque do NCAA. “As marcas sobreviveram aos novos maiôs. Temos conversado sobre isso, quanto os recordes vão durar com as novas tecnologias”, observou Cielo, que acompanhou a vitória da Universidade de Auburn no NCAA. Nathan Adrian levou as 50 jardas (18.71) e nas 100 jardas (41.08) quase tornou-se o segundo homem da história a nadar abaixo dos 41 segundos, como fez Cielo em 2008. A Universidade de Auburn ganhou a competição (526 pontos), com Texas em segundo (487) e Stanford em terceiro (460,5). “Acabou o NCAA e a tendência é as coisas voltarem à rotina, com o fim da tensão na piscina. Para mim está bem tranquilo. Decidi não ir para a escola neste semestre para treinar para o Mundial”, observou Cielo. O Mundial de Desportos Aquáticos de Roma, na Itália, será de 17 de julho a 2 de agosto e Cielo tem treinado na piscina da Universidade de Auburn, com o técnico australiano Brett Hawke, de segunda a sábado. O nadador brasileiro recebeu, na última quinta-feira, o novo maiô que estava desenvolvendo com a Arena, desde novembro do ano passado e deve testar a peça nos próximos treinos. “Vou experimentar. Quero ter certeza que está bom antes de usar em competições.” Cesar Cielo ainda não tem certeza se fará alguma competição em abril. De qualquer forma deve vestir o novo maiô da Arena no Brasil, durante o Troféu Maria Lenk, de 5 a 10 de maio, no Rio. “Não estou mais naquela base pesadona e chata, mas o trabalho de musculação se intensificou bastante. Há duas semanas aumentou o trabalho de musculação e diminuiu a carga na água”, conta Cielo que está dividindo uma casa, em Auburn, com mais quatro nadadores – o australiano Matt Targett, o croata Alexei Puninski, o dinamarquês Jakob Andkjaer e o paraguaio Genaro Prono. Quando não está se alimentando ou descansando, o que também faz parte de sua preparação, Cesar Cielo passa um tempo na internet. “Fico vendo as novidades no site (www.cesarcielo.com), coisas dos patrocinadores e fazendo contatos com a Arena, por causa do maiô. Também estou lendo três livros ao mesmo tempo para não enjoar de uma história só.” Cesar Cielo é atleta do EC Pinheiros e tem patrocínio da Arena e dos Correios.

Cesar Cielo fica em terceiro nos 100m livre em Austin

Velocista brasileiro encerrou participação na sua primeira prova no exterior após a Olimpíada de Pequim
São Paulo – O brasileiro Cesar Cielo voltou a ficar com a terceira posição nos 100 m livre, neste sábado, no Grand Prix de Austin, Texas (EUA), sua primeira prova no exterior nesta temporada após o ouro olímpico. Cielo nadou os 100 m em 48s92 e ficou atrás do francês Fred Bousquet (48s48) e do norte-americano Gar Weber-Gale (48s88). Cielo, medalhista de bronze nos 100 m nos Jogos Olímpicos de Pequim, onde levou o ouro nos 50 m livre, está treinando em Auburn, Alabama, com o técnico australiano Brett Hawke visando o Mundial de Roma, em julho. Nas 100 jardas, disputadas na preliminar, Cielo ficou em quinto (42s95) – o melhor tempo também foi de Fred Bousquet (41s84). No balanço da competição de Austin Cielo também foi terceiro nos 50 m livre (22s08). Cesar Cielo, de 22 anos e 1,96 m, explicou que ainda pode fazer ajustes no calendário durante os próximos meses, mas em princípio nadará mais uma competição nos EUA em abril – “estou pensando em abrir mão do Holandês” – o Troféu Maria Lenk, em maio, e o Mare Nostrum, em junho. “É basicamente isso, uma competição por mês, e depois a aclimatação ao Mundial, que deve ser em Portugal.”

Cesar Cielo nada os 100 livre em jardas e em metros

O brasileiro encerra participação no GP de Austin neste sábado; ainda decidirá com o técnico Brett Hawke sua próxima competição
São Paulo – O nadador Cesar Cielo disputa neste sábado as 100 jardas e os 100 metros, no estilo livre, no Grand Prix de Austin, Texas, encerrando participação em sua primeira prova internacional depois de ser campeão olímpico nos 50 m livre, em Pequim. Cielo não está preocupado com resultados nessa fase do ano, em que ainda está treinando com intensidade visando a principal competição do ano, o Mundial de Roma, em julho. O campeão olímpico explica que deverá competir, em média, uma prova por mês até o Mundial, um planejamento que fez com o técnico australiano Brett Hawke. “O Brett acha que eu me cobro demais e que não posso ficar me sentindo pressionado numa fase em que ainda estou pesadão. Por isso, o ideal é competir só para ganhar ritmo.” Cielo, que está vivendo em Auburn, Alabama – treina na piscina da universidade e divide uma casa com os outros nadadores estrangeiros que estão treinando nos EUA. O nadador vai escolher, juntamente com Hawke, as próximas provas que fará. “Provavelmente, mais um GP nos Estados Unidos e o Maré Nostrum, além do Troféu Maria Lenk, no Rio, em junho”, diz Cielo que fechará o calendário com o técnico, de acordo com suas necessidades. Nesta sexta-feira, Cielo nadou as 200 jardas, em Austin, e empatou com Nick Koerner com o tempo de 1min40s31, numa prova que é longa e cansativa para o brasileiro, velocista puro. Jake Stronko foi o terceiro (1min40s38). Os velocistas de Auburn dominaram o pódio das provas curtas em Austin, na quinta-feira. Na disputa dos 50 m livre, o brasileiro Cesar Cielo ficou em terceiro (22s08). Seus companheiros de treinos em Auburn, também estrangeiros como ele, ocuparam os dois primeiros lugares do pódio, respectivamente Fred Bousquet (21s44), da França, e George Bovell, de Trinidad e Tobago (22s01). Nas provas de quinta-feira pela manhã, disputadas em jardas, Cielo também foi o terceiro nas 50 livre (19s15) e ficou com o ouro no revezamento 4 x 50 (1min15s69), que nadou com Alexei Puninski (Croácia), Fred Bousquet e George Bovell.

Cesar Cielo nada primeira competição no exterior após Olimpíada

O velocista brasileiro disputará quatro provas no Grand Prix de Austin, no Texas, a partir de quinta-feira

São Paulo – Cesar Cielo disputará sua primeira competição no exterior após a Olimpíada de Pequim e a medalha de ouro nos 50 metros livre. Cielo nadará o Grand Prix de Austin, no Texas, de quinta-feira a sábado, a quarta competição do Swimming Grand Prix Series, torneio que será em jardas e em metros. As provas preliminares, pela manhã, serão em piscina de jardas e as finais em piscina longa (50 m).

Cielo, de 22 anos e 1,96 m, vai nadar os 50 m, 100 m e 200 m, no estilo livre, e o revezamento 4 x 50 m livre, em equipe com Alexei Puninski, da Croácia, George Bovell, de Trinidad e Tobago, e Fred Bousquet, da França.

“Vamos nadar o revezamento para tentar bater o recorde mundial em jardas (a marca atual é de 1:14.71, da equipe da Universidade de Auburn, no NCAA). Como somos de países diferentes vai valer como recorde do US Open se realmente conseguirmos alcançar a marca”, disse Cielo. “No mais, não estou esperando nada especial nessa competição. É só para pegar ritmo, voltar a competir mesmo. Nadar esses 200 m vai doer muito….mas enfim.”

Cielo deixará a cidade de Auburn, no Alabama, onde está morando e treinando nesta quarta-feira. “Na quinta nado os 50 em jardas pela manhã e o 4 x 50 m em jardas e os 50 m livre, à tarde. Ainda não tenho expectativa nenhuma para os 50 m livre. Estou pesadão”, acentuou Cielo que sexta-feira, pela manhã, nadará os 200 jardas e, no sábado, os 100 jardas e os 100 m livre, nas duas provas do programa. “Vou nadar de manhã de sunga mesmo. Só vou usar o macacão da Arena, meu fornecedor de maiôs, à tarde. Será o mesmo de Fortaleza”, lembrou, referindo-se ao protótipo que vem desenvolvendo em conjunto com a empresa italiana.

Testes de maiôs

Cesar Cielo testou três novos protótipos de maiôs da Arena na última semana em Auburn. “Vou ficar com aquele protótipo que eu já vinha desenvolvendo com eles desde o ano passado. Optei por um modelo que eles batizaram de Evolution Plus. Eles devem estar me mandando a versão final, com base nos testes feitos, em três semanas”, afirmou.

O brasileiro que vem testando os maiôs da Arena – o francês Alain Bernard também integrou o programa de desenvolvimento dos maiôs – garantiu que com as regras da Federação Internacional de Natação (Fina) nada vai mudar. “Quando chegarmos ao um protótipo adequado eles farão a padronização numérica.”